Lo mejor!!!

Cargando...

Servicio de búsqueda personalizada

Búsqueda personalizada

Google+ Followers

Más obras Literarias de Daniel Galatro

Un sistema OVNI de propulsión

Eu não sei se os volumosos relatórios de ÓVNI são observações precisas das características físicas de Óvnis reais, mas se são então estas observações, junto com a recente pesquisa dos físicos Donald Mallett (2000) e Lene Hau (2001), sugerem a possibilidade de um moderno sistema de propulsão ÓVNI. Comecemos com algumas coisas que sabemos:
1) o que nós experimentamos como a "força de gravidade" não é de fato uma força, mas é uma distorção do "tecido do espaço-tempo". Um objeto não submetido a um campo gravitacional mover-se-á em direção à gravidade crescente.
2) qualquer coisa que tem massa ou energia, inclusive a luz, distorce o tecido do espaço-tempo próximo.
3) a gravidade sempre será um operador atrativo localizado; porém é superada numa escala universal por um operador repulsivo, ou expansivo, que os físicos chamam “energia negra” ou “quintessência.” O operador expansivo responderá pela evidência de que a taxa de expansão do universo está crescendo.
4) um objeto não submetido a um campo gravitacional estará em "queda livre" e experimentará a ausência de peso, como um objeto não submetido localizado entre campos gravitacionais opostos de força desigual.
5) uma pessoa "caindo" num campo gravitacional, embora a força do campo e a taxa de aceleração, não experimentará as forças "g". Ele não terá a sensação de "ser empurrado" (a letra "g" é comumente usada para representar o "empuxo" de aceleração da gravidade da Terra - aproximadamente 9,75m/s/s ao nível do mar).
6) o tempo se torna mais lento perto de um vórtice no espaço-tempo, como um buraco negro, um fenômeno conhecido como “dilatação gravitacional do tempo.”
7) Vórtices no continuum do espaço-tempo são muito comuns. Stephen Hawking (1988) observou que “O número de buracos negros pode ser até mesmo bem maior que o número de estrelas visíveis … então o buraco negro mais próximo a nós provavelmente estaria a uma distância de cerca de milhões de quilômetros, ou tão longe quanto Plutão….” Além disso estes vórtices/buracos negros surgem em todos os tamanhos, de milhões de massas solares a menores que átomos.
8) sob as condições de um vórtice (distorção alta) no espaço-tempo, espaço e tempo podem trocar de papéis - o que do lado de fora se experimenta como transcurso de tempo será, para o lado interno, experimentado como uma dimensão no espaço.
9) um raio de luz a aproximadamente 1,5 vez o raio do “eventual horizonte” de um vórtice irá “costear” ao redor do vórtice como se estivesse viajando em um caminho reto, e o “bem” gravitacional causará o desaparecimento do vetor da força centrípeta normalmente externa. (O “eventual horizonte” é a distância do centro do vórtice onde o campo gravitacional é tão forte que a luz não pode escapar. Qualquer coisa dentro deste raio será invisível a um observador externo).
10) o investigador de Harvard - Lene Hau (2001) demonstrou recentemente que a luz que viaja a 300.000 km/s no vácuo pode ser reduzida a velocidade de alguns metros por segundo se estiver próxima ao zero absoluto em um meio especial (um condensado de Bose-Einstein).
11) "A luz ganha inércia conforme for sendo reduzida sua velocidade. Aumentando sua inércia aumenta-se sua energia, e isto aumenta o efeito (de um raio circulante de luz)" - Físico Ronald Mallett.
12) a força gravitacional próxima a estes vórtices varia as cores (para freqüências mais altas e comprimentos de onda mais curtos). Cores variadas nas regiões de freqüência ultravioleta ou mais altas ficam invisíveis ao olho humano.
13) “Um veículo interestelar equipado com a capacidade de formar um dom gravitacional a uma distância fixada desde o veículo poderia acelerar a si mesmo a velocidades supraluminosas. Obviamente, o veículo se tornaria inobservável, acima da luminosidade.” - Benjamin Goulart
Uma Máquina do Tempo.
Tentando construir uma “máquina do tempo”, o Professor Mallett (2000) oferece esta receita: 1) desacelere dois intensos raios laser até metros por segundo assim a luz ganha energia, 2) gire os raios em sentido horário por reflexão ou refração, criando um vórtice no espaço onde o tempo e o espaço trocarão de papéis. Se ele estiver correto, o tempo se moverá para trás dentro do vórtice. Ele e outros estão projetando uma experiência para testar esta hipótese.
Um Modelo de Propulsão ÓVNI.
Ok, vejamos se eu consigo reuni-las para modelar um motor de ÓVNI. Eu assumirei que nossos amigos alienígenas têm astronaves equipadas com algum dispositivo para alimentar raios laser muito intensos. Os raios se movem num meio de transparência eletromagneticamente induzida, e são desacelerados para m/s. Para serem acionados eles circulam os raios em direções opostas por reflexão ou refração, e quando eles atingem a velocidade, são criados vórtices opostos no tecido do espaço-tempo, que podem subjugar completamente e localizadamente a atração gravitacional da Terra. Os próprios vórtices, uma vez criados, dobram os raios de luz. Variando a velocidade dos fótons luminosos, e assim sua inércia e massa (energia), eles poderiam controlar o grau relativo de "gravidades positivas e negativas” manifestadas pelo vórtice oposto. Gerando-se um par de vórtices opostos em orientações arbitrárias sobre a embarcação poder-se-ia mudar para qualquer direção em alta velocidade, em relação a um observador externo, ou pairar. Obviamente, o poder relativo dos vórtices deve ser precisamente controlado para impedir o ÓVNI de ser destruído por forças “tidal” gravitacionais.
Mas há muitos problemas. Como você controlaria o efeito de reversão do tempo associado com gravidade artificial? Uma astronave poderia de fato gerar bastante energia para formar estes vórtices? (Joseph Rosen afirma que "a velocidade de dobra de Alcubierre requer algo na ordem de 10^19 tesla (campo magnético)" que requer uma quantia enorme de energia. Mas ele se adianta em sugerir que a enorme energia no vácuo do espaço-tempo poderia ser batida). Como você criaria e manteria suficiente Condensação de Bose-Einstein? É inacreditavelmente difícil de se criar, e é aparentemente a coisa mais frágil que alguma vez já existiu. Os físicos ainda estão fazendo apenas quantidades muito pequenas disto, só alguns milhões de átomos de cada vez, e eles só podem fazer a partir de alguns tipos diferentes de átomos. E sem parar. Assim o modelo do sistema de propulsão ÓVNI que eu proponho aqui, enquanto teoricamente possível, é obviamente bem impossível para os humanos construírem num futuro previsível. Nós teremos que assumir que os ETs de alguma maneira já solucionaram estes problemas.
O Modelo x Características Observadas de Óvnis.
Agora vejamos se nosso modelo poderia explicar os efeitos observados mencionados na literatura ÓVNI. Todas as citações seguintes, exceto quando anotado, é de Berliner (1995), Dolan (2000), ou Greer (2001):
EFEITO OBSERVADO: Movimento em Alta Velocidade, Pairando e Silencioso.
"...Eu a segui por um pequeno trecho, e então de repente a maldita coisa se foi. Ela arrancou a 45 graus elevando-se aceleradamente, girou e desapareceu". - astronauta Donald Slayton
“Os Óvnis por outro lado parecem capazes de pairar com pequeno ou nenhum movimento por longos períodos, sem qualquer som.”
“Minot AFB em 10 de novembro (1975) informou que o local foi perturbado por um objeto luminoso do tamanho de um carro a uma altitude de 300 a 600 m. O veículo não emitia ruído algum.”
“O movimento dos Óvnis não foi acompanhado por qualquer tipo de som..."
“Pairava e se movia de um jeito irregular para cima e para baixo…”
“… o ÓVNI saiu diretamente por cima, o radar NORAD localizou-o a 61.000 m, em velocidades de até 2700 km/h”
“Ele ouviu um ruído lamentoso e o objeto começou a girar em sentido anti-horário e finalmente elevou-se do solo.”
“Deslocamento irregular, seguindo o contorno do terreno, velocidade variada de deslocamento, pairando, vôo por cima de centros urbanos e industriais, lânguido sussurro … ao silêncio total”
“Começou a baixa freqüência, mas rapidamente o ronco subiu em freqüência e em intensidade … chamas surgiram debaixo do objeto … azul claro e ao fundo estava um tipo de cor laranja …o ronco parou e ele pareceu ver a nave pairar alguns pés acima do solo … estava tão quieto que se poderia ter ouvido a queda de um alfinete … então o veículo se moveu lentamente, ganhando velocidade…”
O MODELO: sua habilidade para controlar as "gravidades negativas e positivas" relativas responderiam pela alta aceleração, altas velocidades, e suspensão. E, uma vez criados os vórtices, o sistema de propulsão consistiria apenas em raios circulantes de luz, que responderiam pelo silêncio informado (ou um fraco zumbido indicando uma descarga propulsora de baixo nível gerada para manter os vórtices).
EFEITO OBSERVADO: Voltas Abruptas em Altas Velocidades.
"...Eu vi um movimento oval laranja-amarelado repentino e fez uma volta imediata para a direita..." - 20 de agosto de 1993, do banco de dados da NUFORC.
"...e era distinto por sua surpreendente manobrabilidade. Parecia que os Óvnis eram completamente destituídos de inércia. Em outras palavras, eles entraram, de alguma maneira, em ‘acordo’ com a gravidade.”
"Mas no simulador (ÓVNI) você notará que não há cintos de segurança. Certo? Era a mesma coisa com a nave atual - sem cintos de segurança. Você não precisa de cintos de segurança, porque quando você pilota uma destas coisas de cabeça para baixo - você simplesmente não percebe isto... você tem seu próprio campo gravitacional dentro da nave... para você, você está sempre do lado certo.
"...o caso do contato do Monte Paul, onde haviam dois Óvnis circulando ao redor um do outro separados por uma dada distância, lhe falou que havia 135 g de aceleração."
O MODELO: A aceleração máxima que um humano pode sobreviver por um período contínuo é de aproximadamente 9 gs, assim 135 gs seriam rapidamente fatais. E muitos outros relatórios mencionam as voltas abruptas a altas velocidades que parecem gerar forças g maior que os humanos podem suportar. Desta forma esta característica é a mais difícil de se considerar. Eis porque eu penso que este não seja um problema para os ETs: quando um piloto executa um mergulho para a Terra ele sofrerá forças g devido à mudança em sua direção no sistema de coordenadas definido pelo campo gravitacional terrestre; porém se um ÓVNI está em movimento uniforme ou pairando nossos amigos verdes estão leves e em "queda livre" em relação ao sistema de coordenadas definido pelo vórtice dominante. Se o vórtice dominante muda-se abruptamente para outra orientação, eles continuam ‘desabando’ segundo a mesma direção no mesmo sistema de coordenadas. Sua perspectiva da Terra mudará mas não experimentarão uma mudança de direção em seu próprio quadro de referências e, por conseguinte, não experimentarão força g alguma. Por exemplo, se estão se orientando inicialmente pela Terra e abruptamente começam a mover-se horizontalmente à superfície terrestre, irá parecer que a Terra moveu-se de repente de sua frente para seu lado.
EFEITO OBSERVADO: Luzes Pulsantes, Giratórias, Coloridas.
“Nave desconhecida com uma luz branca piscando e uma luz ambarina ou laranja. Objeto vermelho e laranja, com aproximadamente quatro carros de comprimento … no objeto parecia que todas as cores estavam misturadas.”
“Em 23 de abril (1954), dois aviões da PanAm, distantes aproximadamente 320 km, cada um avistou um ÓVNI entre Porto Rico e Nova Iorque. O objeto piscava com uma luz laranja-esverdeada, e passou triscando por ambos os aviões.”
“No dia 29, três membros da 2ª Estação de Rádio do Exército em Forte Meade, Maryland, viram um objeto não-identificado redondo e brilhante, que piscava, três ou quatro vezes o tamanho de uma grande estrela, movendo-se pelo céu em linha reta …”
“No dia 13, por exemplo, muitas pessoas em ambos os países (Noruega e Suécia) viram uma esfera prateada luminosa com uma cauda, e uma formação em “V” de três objetos luminosos, giratórios.”
“… nós vimos uma intensa luz amarelo-azulada movendo-se da praia para nossa posição … quando a luz atingiu uma certa elevação, ficou estacionária. Da luz original saiu um raio luminoso que começou a rodar … então um intenso e grande halo de luz amarelada e azulada desenvolveu-se, e lá permaneceu”
Há freqüentemente luzes multicoloridas nestes objetos, de dia e de noite... As luzes são freqüentemente ligadas e apagadas em seqüência, ligadas e apagadas, em algum padrão regular."
"...E eles simplesmente se apagam e desaparecem, então eles reaparecem em 25-30 km em uns 20 segundos, e então reaparecem. E eles fazem isso de um lado para outro."
O MODELO: O fato de que um Óvni é observado tendo luzes circulantes mesmo de dia indica que elas não são usadas para iluminação; e o fato de que elas ficam circulando, em seqüência e com cores variáveis indica claramente que elas fazem parte do sistema de propulsão. Os raios de luz circulantes sugerem a alguns observadores que o ÓVNI estava girando, mas não é. Os raios luminosos informados de várias cores, e a declaração de que “todas as cores se misturavam” sugere que a mudança da intensa luz pelo vermelho-laranja-amarelo-verde-azul seria o resultado da variação azulácea dos vórtices enquanto os campos gravitacionais se tornam mais fortes. Quando penetrassem na faixa ultravioleta, as luzes ficariam invisíveis - eles pareceriam estar piscando, como informado.
EFEITO OBSERVADO: Emissão de Radiação.
“… esta tecnologia que estava sendo usada para compressão era algo que nós nunca tivemos antes e ainda não temos. Não existe porque era uma faixa muito larga e poderia comprimir faixas diferentes, freqüências diferentes ao mesmo tempo…”
“A conclusão laboratorial que parece a melhor cobertura aos efeitos observados e analisados é a de uma emissão poderosa de campos eletromagnéticos, pulsante ou não, na gama de freqüência das microondas.”
"Todas as três bússolas (autopiloto) davam leituras diferentes... Assim o que nós concluímos é que era uma enorme força magnética naquela bola, o que quer que fosse, que nós vimos lá fora, aquela luz branca.”
O MODELO: São conhecidos poderosos vórtices no espaço-tempo, como os buracos negros, para emitir jatos poderosos de radiação eletromagnética paralelos ao eixo do vórtice. Este efeito poderia responder por estas observações de instrumentos irregulares ou a falha temporária de qualquer componente eletrônico.
EFEITO OBSERVADO: Efeito em Aeronave Convencional.
"Ao mesmo tempo os 747 tiveram um salto súbito, só um salto. Meio segundo depois o ruído (estático) e a luz tinham desaparecido. Este foi o único salto que nós tivemos em onze horas de vôo" (O piloto sênior informou que um ÓVNI passou a " talvez 150 m" abaixo deles a grande velocidade)
O MODELO: Sob potência, a distorção do espaço-tempo do Óvni aparentemente se estende, embora debilmente, para além de 150 m. O espaço tridimensional normal foi encolhido momentaneamente enquanto o ÓVNI passou abaixo do 747.
EFEITO OBSERVADO: Dilatação do Tempo.
“Tudo parecia que era diferente quando estivemos naquela clareira. O céu não parecia o mesmo … tinha um estranho sentir, como se tudo estivesse mais lento do que se estava fazendo de fato, e de repente quando o objeto se foi, tudo estava novamente normal.”
"Eu não falei sobre isto por um tempo, porque eu escrevi e achei que eu nunca deveria tê-lo feito ... O sentimento na floresta era muito estranho. O movimento era estranho. A percepção era estranha no minuto em que nós entramos na floresta. Eu lhe direi que - algo estava errado."
O MODELO: Dilatação gravitacional do tempo, o fenômeno bem conhecido de que o tempo se torna mais lento nas redondezas de um vórtice no espaço-tempo.
EFEITO OBSERVADO: Enfraquecimento da Visibilidade.
"...era como uma névoa; parecia uma névoa no chão... Então houve uma explosão - é muito difícil para mim descrever isto; esta coisa explodiu em múltiplos fragmentos de luz extremamente luminosa! Eu, e outros, sofremos ardeduras nos olhos... Esta explosão de luz foi muito silenciosa, e onde a explosão de luz aconteceu, surgiu um objeto sólido bem estruturado, bastante grande - provavelmente 9 m de base..."
O MODELO: Quando os raios de luz circulantes variam ao azul próximo ao ultravioleta (UV) a nave se apresenta nebulosa, vislumbrando luz azul. Conforme decresce a força e os vórtices se encolhem, uma luz refletida pode escapar neste momento e a nave fica claramente visível. Os raios de luz de repente “variam ao vermelho" de volta à brilhante luz branca original, o que poderia ser perigoso aos olhos se você está com a vista adaptada ao escuro (o incidente aconteceu à noite).
EFEITO OBSERVADO: Enfraquecendo a Invisibilidade.
1) no dia 13 de maio de 2001, uma nave lenta e pouco iluminada estava em cima de Bangalore, Índia. Do relatório:
"...Em aproximadamente 5 segundos após o termos avistado, o objeto começou a desaparecer, como se entrasse num meio invisível. O tamanho do objeto era o mesmo quando começou a sumir de quando nós o vimos primeiramente. Não diminuiu de tamanho..."
2) 1991, Livermore, Inglaterra.
“… O que aconteceu depois me surpreendeu, quando esta luz escura (objeto) eventualmente parou em meio ao vôo e então permaneceu estacionário. Então, alguns segundos depois, ela apagou-se totalmente. Desapareceu. Tornou-se invisível? Lembrava condições de avistamentos brilhantes e não nuvens. Eu fiquei pasmo por isto, meu pai menos, mas o que aconteceu depois foi realmente incrível, para ele também! Quase vinte segundos depois eu e meu pai testemunhamos um bumerangue escuro (preto), em forma de “v”, tipo nave com luzes embaçadas de cor laranja por todos os lados. Esta coisa passou em cima de nosso telhado, rápida e silenciosamente, em direção ocidental. A outra coisa surpreendente é que esta nave também desapareceu! Ela tornou-se invisível diante de nossos olhos e antes que chegasse aos telhados das casas opostas à nossa.”
3) "...E depois de observá-lo e ter este contato imediato, desapareceu. Ele desmaterializou-se."
4)" às 22:12 do dia 10 março, o radar de busca informou um objeto não identificado a oeste do canal (Panamá). Um T-33 do Campo Howard foi enviado para investigar. Resultados negativos. A aeronave estava nas áreas imediatas do objeto com visão negativa."
O MODELO: Estas observações sugerem que os vórtices podem ser ampliados para trazer a nave inteira dentro do raio do "eventual horizonte”. Enquanto os campos gravitacionais dos vórtices aumentam sua força a luz se curva para dentro. Quando os campos ficam fortes o bastante a luz não pode escapar, assim o objeto se torna invisível a observadores externos em todos os comprimentos de onda eletromagnética, incluindo rádio, radar, infravermelho, visível, UV, e raio-x. Deve haver muitos deles na atmosfera e estamos incapacitados de percebê-los, portanto duas questões óbvias, quiçá tranqüilas surgem: (1) Como nos defenderíamos se eles se tornarem hostis, e (2) Mesmo que todos os relatos de observação ufológica cessem, como saberemos que eles realmente se foram?
Referências
Berliner, Don, “UFO Briefing Document”, Dell Publishing, 1995.
Dolan, Richard, “UFOs and the National Security State”, Keyhole Publishing Co., 2000.
Greer, Stephen, “Extraterrestrial Contact: The Evidence and Implications”, Granite Publishing, Columbus, NC, 1999.
Hau, Lene, New Scientist, Jan 27, p4, 2001.Hawking, Stephen, “A Brief History of Time”, Bantam Books, 1988.
Mallett, Ronald, et al, Physics Letters A, Vol 269, p214, 2000.
Sitchin, Zecharia, “The Wars of Gods and Men”, Avon Books, New York, 1985.
http://www.freewebs.com/hipoteseaa/ufo_prop.htm
A l e x a n d e r Z i m m e r
Enviado a Ufolista por Julio Barone Neto

UFOs, OVNIs, etc. - correspondencia Mayo/2007

31/5/2007

É um desenho animado muito interessante mostrando o que é viver na 2ª dimensão e ser despertado por alguem que, como nós, vive na 3ª dimensão. Desenho aparentemente para crianças, muito bacana, vale a pena ver. http://www.youtube.com/watch?v=n2ycdISaQwQhttp://trupiqueinataubinha.blogspot.com
28/5/2007

http://videos.tn.com.ar/archives/2007/05/con-la-vista-en-el-cielo-1.html
Paola Lucherini Covo

Incrível truque de baralho com cores que mudamhttp://100nexos.com/arquivo/162Mori

26/5/2007

Estrellas Invisibles: La contaminación luminica provoca el placer de observar el cielo estrellado haya pasado a la historia en las grandes ciudades españolas, donde solos es posible apreciar 200 de las 7.500 estrellas que se pueden ver cualquier noche despejada.El caso más grave es el Madrid, desde donde solo se parcieben 70 cuerpos celestes.
Nuno Alves

25/5/2007

Hola a todos: Os escribo para informaros de los últimos archivos sonoros que hemos incluido en la web de Años Luz en http://aluzinformacion.com

SERRA DE La ESTRELLA PORTUGAL 1994
HUMANOIDE FOTOGRAFIADO
Una informa que fue sensación en la Ovnilogia portuguesa, fue a buen seguro el caso ocurrido en las proximidades del mes de Agosto de 1994, en la Serra de la Estrella, donde una foto de una pareja que se encontraba allí de paseo, vino a demostrar una imagen que aún con filtros identifica un ser humanóide tipo Grey! Un Sait que hizo grande destaque sobre esta materia fue a ?gppovnis?, que juzgo aún tener esta materia disponible para los internautas e investigadores de esta materia. Materia de búsqueda ? HUMANOIDE FOTOGRAFIADO EN La SERRA DE La ESTRELLA PORTUGAL. La GPPOVNIS estuvo sin dudas de parabéns por su excelente trabajo y desempeño, en el trabajo de análisis de imagen. Fue a buen seguro un marco muy importante en la historia de la Ovnilogia portuguesa, si haber recogido una foto de gran valor que, sería cedida por la Sr.ª D. Ana Margarida Ascencio, la propietaria y supuestamente la autora de la fotografía. Esta foto fue comentada por muchos investigadores y curiosos, unos defendían de que esta era real, y que lo que se presentaba en la imagen sería efectivamente un ser alienígena. Existían aquellos que colocaban la hipótesis de no tratarse de un alienígena, pero sí de una especie humanóide aún no descubrimiento por la ciencia. Existían como es obvio una buena parte que no creía, que lo que se presentaba en la imagen pudiera ser aún un ser, pero que podría ser un error en la cámara fotográfica o aún en la película ?rolo?. Una de las curiosidades que me llevó a estudiar este caso con más atención fue el factor de las misteriosas, explosiones, ocurridas en este local y noutros del país. En 1994 aún yo no estudiaba el fenómeno Ovni, ni era persona de conectar muy a estos asuntos. Era un poco séptico relacionada ? miente con estos temas, donde sólo vine la lidar con la Ovnilogia cuatro años más tarde ya cerca del final de 1998, con mi primero avistamento Ovni. Durante la investigación por el gppovnis, existe un fallo en la investigación que fue crucial para el desarrollo de esta materia! A partir de 1998, efectué una recoja de todos los casos Ovni, en Portugal de forma a intentar comprender lo que se había pasado con mi caso ?avistamento?, en el ámbito de intentar entender que fenómeno sería lo que yo aún habría observado. Después de la mucha materia recogida de la Internet, inicié una cuidadosa lectura, e información sobre periódicos y TELES donde estos casos ocurrieron. Como había referido á poco la gppovnis, aunque merezca gran mérito por sus trabajos, dejó escapar una gran pista en este caso del ET fotografiado en la Serra de la Estrella! Días antes de este caso, y de esta foto hacerse celebre en la ovnilogia, nacional e internacional, existió un gran estruendo ? explosión? en la Serra de la Estrella, donde Bomberos, GNR ? Guardia Nacional Republicana y Protección Civil estuvieron en búsqueda de una aeronave que posiblemente se tuviera despenhado! Curiosamente ningún aeródromo detectó cualquier falta de uno de sus aparatos, ni hubo nadie a reclamar la desaparición de uno de estos aviones de pequeñas dimensiones! El hecho es que no fue encontrado cualquier aparato despenhado en la Serra de la Estrella! Dad este caso insólito asemejarse bastante con el caso del humanóide. Especialmente cuando este surge en una fotografía, donde lo fotografío nada habría observado antes de batir la foto. Uno de los aspectos curiosos en las imágenes presentadas filtradas es la posición del ser que parece estar muy curioso y a mirar atentamente para la persona fotografiada que no estaría de más de 5, metros de su posición. Sin embargo nadie hasta a los días de hoy supo explicar lo que provocó la dicha explosión misteriosa en la Serra de la Estrella! Especialmente cuando la Serra de la Estrella es Una reserva de protección ambiental y forestal! Caída de avión está fuera de cuestión, explosivos de Minas en la recoja de minério está fuera de cuestión estas no existen ?extintas?, operación militar también está fuera de cuestión! Entonces lo que se pasó en la realidad? 1999 ? Extraño estruendo en una de las Serra Algarvias a Sur de Portugal coloca población y alerta especialmente en una época en existe un grande alerta debido a los incendios forestales. Todas las fuerzas de seguridad y salvamento se desplazaron al local en la tentativa de encontrar lo que juzgaban ser una de las pequeñas aeronaves que estaría de prevención y vigilancia aérea en la zona. Un popular alega haber observado durante la noche extrañas luces, de la cual estas vendrían del cielo. Según la testigo hubo juzgado que estas luces serían largada por aviones, para incendiar a mata! La verdad es que nada fue encontrado ni vestigios de incendios! Una vez más este caso se asemeja bastante con el caso de 1994, en la Serra de la Estrella. 2002 ? Estaba yo de Servicio en el Cuartel ? General de la Vigila del Exercito en Évora, alrededor de Agosto, cuando nos llegó el relato de que habría caído uno dona aviones de combate F ? 16/ F ? 18, en la Serra de Grândola, que quedaría de más de 100km, de nuestra unidad. La verdad es que en esta Serra una vez más todo el terreno fue batido, por los bomberos y fuerzas militares y civiles y nada fue encontrado! Y más una vez esta Serra tiene un grande folclore Ovnilogico, donde muchos populares observan y relatan casos fantásticos de extrañas luces y fenómenos inexplicáveis! Una vez más este caso se asemeja bastante a los otros dos arriba! 2005 ? Inicio de este mismo son oídas varias explosiones en la Zona de Vila Nueva de Santo André a 12 km de la ciudad de Sines y también oídas en el Cercal del Alentejo quedando a unos 40 km de Sines, más a Sur. Efectivamente no fueron observados aviones en las zonas aquí relacionadas, pero la verdad es que una de esta explosiones acabó aún por damnificar un reactor de la fábrica petroquímica Repsol YPF. Para no hablar de vidrios de ventanas y puertas de casas destruidas en el Cercal del Alentejo. Esta informa se esparció muy rápidamente, de la cual la prensa se mostró bastante interesada en el caso, especialmente la estación ?TVI? Curiosamente todos apuntaron el dedo de la culpa á Fuerza Aérea Militar! Esta respondió que sí que estos habrían quebrado la barrera del sonido, en auxílio de un otro avión que viña con problemas de comunicaciones en pleno vuelo. Curiosamente este caso estaba un poco turvo! Turvo, porque la Fuerza Aérea alega que estos cazas de combate supuestamente causadores de este gran estruendo estarían muy km´s más a Sur del Cercal del Alentejo, lo que no hacía cualquier sentido por la lógica de recoja de las testigos de este vilarejo! Para no hablar que por ley sólo es permitido pasar la barrera de sonido en, caso de guerra! Aún así la disculpa presentada por la propia Fuerza Aérea, no coincidía! Aunque estos estuvieran en auxílio de un otro avión con problemas técnicos de comunicación, este no sería justificável para pasarse la barrera de sonido! Un avión con problemas de comunicación tiene sistemas alternativos, de comunicación e incluso de navegación! Ora la cosa aquí ya estaba cogiendo demás. Si notáramos que toda la zona de Sines y alrededores es fustigada por Objetos Voadores No Identificados. Esta mi investigación e investigación llevó ? me a una conclusión de que estas explosiones, pueden ser originadas por fuerzas de orden desconocida, donde en mi entender, pueden efectivamente designarse al caso de aterrizajes de extraños objetos en determinadas zonas o aún, al pasar de una dimensión para la otra! La curiosidad es esta ser prácticamente en Serras! Efectivamente las Serras permiten, ser locales de gran refugio y de una grande camuflagem para aquellos que no pretenden ser observados. Sería el caso de la Serra de la Estrella una coincidencia, para con las otras explosiones? En este caso da mucho en que pensar! Cuando revi este caso después de unas 5 veces, vi que existía, cualquier cosa de extraño, debido a recordarme de oír hablar de un extraño estruendo en la Serra de la Estrella, la cual este hasta fue muy comentado por la prensa. Cuántos más casos de estos no existirán en este mundo fuera, aún en la ignorancia de muchos! Como es posible las personas se debatan que estos estruendos son de origen de caída de aeronaves o el pasaje de la barrera de sonido, por parte de los aviones militares! Aún cuando los servicios, militares niegan en algunas circunstancias el pasaje de estas aeronaves. È un pasillo de incontables cuestiones, en que las respuestas son poco plausíveis, pero que no deja de ser un asunto embaraçoso y empolgante de misterio. Esperemos un día haber más respuestas para situaciones de estas. È sólo estemos más atentos ás informas! La investigación continúa, entre otras que están en curso!
Investigación Nuno Alves
UFO_PORTUGAL@yahoogrupos.con.br

24/5/2007

Debate sobre
casuística ufológica
Domingo 03/06/07 às 14:00h na Cia de Leitura
Av Dr Vieira de Carvalho 160 Centro São Paulo Tel 3361-6151
www.ciadeleitura.com.br
Realização:
Geoni
Grupo de Estudos de Objetos Não-Identificado
Contatos: 6886 9390


23/5/2007

Otro Génesis posible: Comentario de un religioso amigo

http://biografiaufologos.blogspot.com/

Caros amigos e amigas, Deixo-vos dois links, contendo as duas partes do programa "Tardes da Júlia" dedicado ao tema dos OVNIs e transmitido no passado dia 8 de Maio. Neste programa, onde a SPO este presente, foram entrevistadas 5 testemunhas e o investigador Paulo Cosmelli. Seguem então os links:Parte I: http://www.veoh.com/videos/v516429tnpHhzngParte II: http://www.veoh.com/videos/v516574HQtRsSpJEspero que gostem e agradeço comentários. Melhores cumprimentos,
MarinaColaboradora da Sociedade Portuguesa de Ovnilogiawww.spo-ovnilogia.com

Vídeo de Gollum desvendado -
Assista ao vídeo

Teste seu ceticismo

Olá a todos,
Gostaria de participar do grupo, sou um leitor e interessado em assuntos extraterrestres e me identifiquei com a proposta da lista. Espero poder trocar informações e também adquirir conhecimentos a respeito do tema. Obrigado,
Rogério Vieira
rogerstos@yahoo.com.br


21/5/2007

UFO - Black Horseshoe Smoke -Ring
http://www.youtube.com/watch?v=TgjuzrploLI&mode=related&search=
Paola Lucherini Covo

CeticismoAberto.com atualizado 21.05.2007
:: Fotos de fantasmas
Mori

UFO triangular ou Lavoura?
http://www.youtube.com/watch?v=49Rg6ilvvv8

Em 31.10.1989, dia das bruxas (halloween), em Greenville, Carolina do Sul, nos Estado Unidos, Gina Jones saiu para o quintal para filmar as crianças. Gina ouviu o barulho de um avião. Ela virou a filmadora para o céu e acabou filmando cinco UFOs. Na seqüência, sem querer, ela abaixou a máquina e filmou a fachada de sua casa. Nesse instante, na janela do banheiro de cima (sobrado), a câmera registrou um ser com forma humana flutuando e entrando na casa. As imagens originais são bem antigas e estão em VHS, consequentemente, elas estão com a qualidade um pouco ruim.
www.tvinfa.com.br - Claudeir

Encontro de Grupos Ufológicos e amantes do tema. -
CICNEFAE e Grupo GEONI
Dia 10 / 06 /2007 ( Domingo ) - 14:30 horas -
Este encontro está destinado a reunir ( e conhecer novos pesquisadores ) os amigos ufólogos ( também os grupos ) e amantes do tema. O que falta no Brasil, é uma maior união de pesquisadores e amantes da Ufologia.
Churrascaria CHALÉ dos PAMPAS ( em frente ao Motel Disco Verde ). - AV. Washington Luiz, 3.413 - Chácara Flora - São Paulo- SP. - Tel- ( 11 )- 5687- 13- 09. Fax- ( 11 )- 5687- 49- 00. - e-mail- chaledospampas@uol.com.br - CEP- 04662-004 - Por pessoa---- R$ 16, 90 Sábados e Domingos. Dias da semana - R$ 11, 90. Self Cérvice e churrasco - Quem se interessar, mandar um e-mail com nome do grupo e ( ou ) nome próprio para :
centralcicnefae@terra.com.br para que possamos reservar mesas. Ao passar dos dias, irei postando o nome dos Grupos e participantes, na lista
revista_UFO@yahoogrupos.com.br - Obrigado a todos. -
Mauro de Rezende
GUCIT - Grupo Ufológico Cidade Tiradentes
GEONI - Grupo de Estudos de Objetos Não-Identificadosmauroderezende@yahoo.com.br

20/5/2007

Tres videos en Francia. ¿El mismo OVNI?
http://area51.blig.ig.com.br/

Muito interessante a 6ª parte do documentário Secret Space. Fala a respeito de UFOs em formato de esfera que provavelmente entram na atmosfera para recarregar suas baterias" através das descargas elétricas (raios), comprovada possibilidade por Nikolas Tesla, há muitos anos. Começa a partir do 3º/4º minuto deste 6º episódio.Eis o link no Youtube:http://www.youtube.com/watch?v=k4635uicBFc

Caros, Encontrei este documentário em torrent:http://www.mininova.org/tor/591233Bohne

É a teoria do Ufólogo na sétima parte do documentário no YOUTUBE. Uma arma ultra secreta da NASA que é (ou seria...) usada para "espantar" os UFOs em formato de esfera. Aparece o FLASH, e mais adiante, a arma usada pela NASA, já no espaço.http://www.youtube.com/watch?v=DLVY8nPORSE
Jjaime


19/5/2007

Estou assistindo agora, (22,54) na TV Bandeirantes: "Comando da Noite", um documentário sobre Extraterrestre": Caldier Covo entrevistado, e várias outras reportagens: Caso Varginha, etc. Bom domingo a todos.
Deires

18/5/2007

"Bola de fogo" vista em Marília também é detectada em Bauru - 17/05/2007
http://www.diariodemarilia.com.br/site/ver_noticia.aspx?CodNoticia=4054
Vigias e policiais avistam óvnis em Bauru e Marília
IPMet recebe chamados de contatos visuais registrados na madrugada
http://www.bomdiabauru.com.br/index.asp?jbd=3&id=81&mat=77221
Paola Lucherini Covo - www.inpubr.com.br - www.tvinfa.com.br

17/5/2007

Terra pode mudar de galáxia, diz estudo. Antes de uma colisão final, Andrômeda fará duas passagens de raspão pela Via Láctea. Numa dessas passagens, em 4 bilhões de anos, o Sol e seus planetas podem ser raptados.
http://br.groups.yahoo.com/group/UFOVOE

Secret Space Part 1
http://youtube.com/watch?v=TwUfcFA8tkc

Atualização: William Ailor, diretor do Center for Orbital and Reentry Debris Studies, dá novas informações que — surpresa — confirmam que o bólido deve ter sido mesmo a reentrada do lançador Soyuz-U, em 15 de maio às 1:33 horário de Brasília, 04:33 UTC.
Mori

Atualização: Nicholas Johnson, NASA, informa que a única reentrada no dia 15 foi de fato do foguete Soyuz-U, mas horas depois e bem distante da América do Sul. O evento sobre o Rio Grande do Sul deve assim ter envolvido um bólido de origem natural, confirmando a explicação do astrônomo Luis Augusto Leitão da Silva.Morihttp://www.ceticismoaberto.com/

16/5/2007

Policiais e moradores vêem OVNI passar sobre campus universitário
http://www.diariodemarilia.com.br/site/ver_noticia.aspx?CodNoticia=4020

isso nao dve faltar na videoteca:
Reagan falando sobre invasao extraterrestre (guerra nas estrelas)http://www.youtube.com/watch?v=KhUmCthFK0k

15/5/2007

AVISTAMENTOS EN PORTUGAL
Es bastante corto el número de avistamentos de OVNI en Portugal. El caso más famoso se dio en Fátima, en 1917, cuando un grupo de niños avistou una luz brillante la pairar sobre un olivo. Este avistamento no fue suficientemente investigado y no puede ser confirmado. Son sin embargo diversos los casos relatados, de estos dos casos estudiados por la CNIFO son de los más bien documentados. Montejunto, 2 de Noviembre 1982: Cerca de las 11 horas de la mañana dos aviones de entrenamiento Chipmunk, de la base de la Ota, con tres tripulantes, acompañaron las complejas evoluciones de un pequeño objeto en forma de balón de râguebi, con metro y medio de diâmetro (imagen abajo). Era compacto, metálico y desprovido de cualesquier elementos conocidos de sustentación y propulsión aeronáuticas. El engenho acabó por alejarse en la dirección suroeste, al cabo de 15 minutos. (CNIFO) Alfena, Valongo, 10 de Septiembre 1990: Más de tres decenas de residentes en aquella clientela, en los alrededores de la ciudad del Puerto, observaron, a partir de las 8 y 30 de la mañana, y al largo de más de media-hora, un objeto metálico, de forma ligeramente esférica, achatada en el tope y provenido de cinco apêndices en la vertical. El objeto se movía ora lentamente ora con aceleraciones, llegando a descender a la altura de un tercero piso y acabando por subir y desparecer entre las nubes, no sin que antes el sr. Manuel Gomes hubiera hecho cuatro fotografías del artefacto voador. Análisis hechos en el INETI, en Portugal, en Estados Unidos, por Richard F. Haines, consultor de la NASA, por Jean Jacques Velasco en el Centro Espacial de Toulouse y por el astrofísico francés Pierre Guérin no permitieron, hasta hoy, identificar positivamente el referido objeto. (CNIFO) Una de estas fotos es reproducida en el cabeçalho de la página. Avistamento en Guimarães, Diciembre de 1995: A mediados de Diciembre de 1995 varias decenas de testigos de la región de Guimarães informaron los orgãos de comunicación locales del avistamento de fenómenos luminosos, aparentemente estruturados, desplazándose la baja altitud. Las observaciones fueron hechas a partir de diferentes locales por un variado abanico de testigos, incluyendo agentes de la PSP y un oficial de la Fuerza Aérea que se desplazaba pela auto-carretera Puerto-Braga. Este último negó que el objeto luminoso, observado cerca de las 8 horas de la mañana, aún en plena obscuridade, fuera una aeronave convencional. Avistamento en la Frontera Portuguesa, Septiembre de 1957: Portugal tuvo su momento de estrelato en el panorama OVNI a 4 de Septiembre de 1957, durante una misión de rotina de 4 cazas de su Fuerza Aérea. Liderados por el capitán José Ferreira, seguían entre el recorrido Granada-Portalegre, de noche, cuando avistaram una extraña luz multicolor. Parecía pairar en un punto bajo del horizonte, pulsando y brillando fuertemente. Entonces, sin cualquiera aviso previo, sufrió una metamorfose, aumentando 6 veces su tamaño y pasando de seguida a un pequeño punto luminoso amarillo que seguía las aeronaves. A partir de ahí, su color fue gradualmente pasando a rojo, pero continuando su persecución con maniobras admirabais. Se seguiría, sin embargo, una ocorrência aún más peculiar dali a poco. Del objeto rojo, salieron 4 otros, 15 veces más pequeños y amarillos, constituyendo de inmediato una formación. Para aún mayor espanto de los aviadores, los 5 OVNIs ejecutaron varias maniobras peligrosamente junto de los cazas, acabando por subir indefinidamente. Sin embargo, José Ferreira, olvidando el objetivo de la misión y el equipamiento disponible, intentó abrir fuego, para sólo constatar la falta de armamento. Perplexos con la experiencia sucedida, se dirigieron en sus F-84 Thunderjets de vuelta a la base. Ante pedidos de esclarecimiento, surgió una afirmación curiosa del líder de la misión: "Por favor, no vengan con la vieja explicación de que estábamos siendo perseguidos por el planeta Venus, globos meteorológicos, o condiciones atmosférica anormais. Lo que quiere que hayamos visto allá encima era real, y controlado por algo inteligente."
Nuno Alves

Um mini curso de EXOBIOLOGIA será ministrado durante o XX encontro da Biologia, de 28 à 01 de Junho de 2007, na Unitau (Universidade de Taubaté).
Professor: Paulo Aníbal G. Mesquita

COMUNICADO ...faz 20 anos - O ano de 2007 é um momento especial e muito importante para minha pessoa no âmbito ufológico, onde apesar do meu aniversário no próximo dia 20... foi nesta mesma data (há exatos 20 anos) que realizei a primeira pesquisa de campo para apurar uma ocorrência ufológica relacionada com suposto pouso de um Ufo nas imediações da Serra de Itapeti – MOGI das CRUZES (SP). Portanto, na data atual do meu aniversário, percebo que exatamente metade da minha vida foi dedicada à ufologia e, também à biologia, pois foi também no ano de 1987 que iniciei o curso de Biologia.......Estou ficando “velho” mesmo. (rs...). Ao longo desses anos meu presente já foi dado pelo “destino”, pois tive a oportunidade de conhecer, conviver e “guardar no meu peito”, muitos e muitos amigos pelo Brasil afora e tb no exterior ao logo da nossa jornada ufológica. Nos dias atuais, nesta mesma semana, tb estou completando seis anos na Revista SEXTO SENTIDO, onde pela qual faço parte do corpo de colaboradores/consultores, uma equipe que tenho muito orgulho e muito a agradecer...foi nesta revista que publicamos dezenas de artigos com as nossas pesquisas ufológicas (só na revista são 40 artigos publicados). Porém, sem dúvida nenhuma a data mais importante vai fazer um ano no próximo dia 20 de maio – foi quando conheci a mulher da minha vida = VALÉRIA, a mulher com quem estou repartindo a minha vida e nela esta sendo gerado o maior presente que um homem pode receber...Um filho para daqui quase cinco meses. Uma curiosidade: Já me interessava pelo tema ufológico antes de 1987, pois uns dois antes tive o meu primeiro avistamento, onde cheguei a observar 5 Ufos em plena luz do dia com inúmeros outras testemunhas aqui mesmo em São Paulo; um ano depois ocorreu a famosa noite oficial dos OVNIs em 19 de maio, período que eu estava construindo o meu próprio telescópio .... eu era um dos monitores do curso (hoje extinto) “construção de telescópio”, na Escola Mun. de Astrofísica... Até brincamos: “o cometa Halley foi o maior fiasco em 1986, mas os UFOs apareceram...”. Por isso agradeço a todos que estão recebendo esta minha carta por existirem e por fazer parte da minha história de vida ao longo desse 20 anos de jornada ufológica. Obrigado por tudo/
Paulo Aníbal G. Mesquita

A agência espacial norte-americana, Nasa, descobriu que uma de suas futuras missões teria a capacidade de encontrar o planeta Vulcano, lar de Spock, o personagem de orelhas pontudas de uma das séries de TV mais vistas e admiradas no mundo: Jornada nas estrelas. Naturalmente que, para que o planeta possa ser encontrado é preciso que esteja onde o criador do seriado, Gene Roddenberry, morto em 1991, o locaizou. Segundo o cientista, Vulcano orbitaria uma estrela anã alaranjada chamada 40 Eridani A, a maior de um trio estelar, a 16 anos-luz da Terra. Para a busca, a Nasa usaria uma missão que recebeu o nome de SIM PlanetQuest, mas que, diante da escassez de recursos financeiros, está adiada indefinidamente e, de acordo com seus diretores, não deve ser iniciada antes da próxima década. SIM significa, em inglês, Missão Espacial de Interferência. Trata-se de um satélite que usará um fenômeno característico das ondas de luz. Ao se encontrarem, elas podem interferir umas com as outras, ora reforçando-as, ora reduzindo-as. A idéia é usar a técnica para conseguir enxergar a luz diminuta de planetas fora do Sistema Solar. O astrofísico Sean Raymond, da Universidade do Colorado, em Boulder, acha perfeitamente possível que Vulcano exista, porque todas as condições, ao menos em teoria, estão lá. Diz ele: "Como os três membros do sistema estelar estão longe uns dos outros, não vejo razão que impedisse a formação de um planeta com a massa da Terra%u201D. Fonte: Jornal Estado de Minas


Mais outra reentrada, agora no sul

14/5/2007

Nasa decide ir atrás do planeta do Sr. Spock
http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL35859-5603-93,00.html

Meninos e meninas e tds os outros tb: por um momento imaginem-se que pertencem a um mundo senao perfeito mas quase..... um lugar onde td se respeita em prol da vida seja ela em que manifestacao esteja onde nenhum ser se permita desrespeitar ao seu proximo um lugar onde a vida eh a prioridade e o respeito eh a unica lei nao eh dificil a grande parte de nohs ja tem uma ideia deste lugar em nossas cabecas. Em determinada data voce e mais alguns saem em uma nave pra pesquisar por observacao um determinado planeta. O nome deste planeta? TERRA terceiro planeta de um pequeno sistema solar. Lembrando que um dia seu seria o correspondente a 500 anos terrestres o tempo de pesquisa se dara em 4 dias e vc nao tem nenhuma relacao emocional ou passional com o local observado muito menos com seus habitantes. O foco nao eh um especime ou outro mas sim um planeta como um todo como um medico analisa o paciente, ao passar destes 4 dias voce tera acompanhado este planeta nos ultimos dois mil anos. Como num filme voce tera acompanhado a vida deste planeta e de todas as suas formas de vida. Se este planeta fosse um corpo qual seria o diagnostico? Qual seria o mal deste planeta e mais qual a sua cura? Se vc conseguir fazer isso de fora sem uma pre-relacao com a terra ......
PARABENS. AGORA VC CONSEGUIU ENXERGAR O QUE SOMOS.ALEPHooops a cura???? fica por sua conta
13/5/2007

Mais fotos de OVNIs - Karla Souza envia a imagem e conta: "Estive no Vale do Capão na Chapada Diamantina/BA, e tirei diversas fotos do local. Uma delas chama a atenção por um "ponto" que aparece próximo ao morro conhecido como Morrão". Clique na imagem para baixar o arquivo original. Para nós, devido à baixa resolução, será difícil confirmar uma identificação do objeto, mas muito provavelmente seria apenas um pássaro. Esta também é a provável identificação do curioso objeto nesta outra imagem, enviada por Francisco Miguel Michelli Junior. Clique para baixar o arquivo original. Francisco relata: Fotos feitas no dia 2/01/2005 as 13:00 hrs. Estava fotografando o Urubu, e depois de baixar as fotos no PC percebi os objetos . Pirassununga S.P. Ele também nos enviou mais duas imagens com outros objetos não-identificados: P1020793.JPG e P1020797.jpg. Todos os objetos podem ser pequenos e próximos da lente, como comentado no artigo sobre a câmera Photoshop, câmeras digitais possuem um grande campo de profundidade, e objetos próximos da lente ainda podem surgir com alguma definição. Finalmente, temos uma imagem do Rio Grande do Sul, enviada por Jaque Mann:
Clique para o arquivo original. Jaque nos escreve: Preste atenção no objeto que esta no céu acima do carro, parece ser um disco-voador. Local: Torres, Rio Grande do Sul, Brasil Data: quinta-feira, 9 de novembro de 2006. O que poderia ser? Imaginamos que possa ser um objeto comum e não-voador, e que seu apoio é obliterado pelo céu ao fundo e uma câmera limitada. Muito similar ao OVNI da Pizzaria Dom Romão. E você, o que acha? Envie seus comentários. Poderemos publicar estas imagens e sua colaboração, acompanhadas de muitas outras na próxima atualização do sítio CeticismoAberto. Nossos enormes agradecimentos aos visitantes que enviaram graciosamente suas imagens para análise.
Postado em Ufologia, Ceticismo

Documentários científicos legendados em português
Acima você confere o spot de seis minutos, "O Campo Profundo do Hubble: a imagem mais importante já tomada". É apenas um dos vinte e nove documentários curtos que Carlos Portela legendou em português e podem ser acessados no sítio Mojiti. O sítio Mojiti, por sua vez, é interessante por si mesmo: permite que você adicione legendas, comentários, figuras, imagens e até outros vídeos em clipes já existentes no Youtube e outros serviços de hospedagem. O resultado final é como você confere acima. Bom programa!

O norte-americano Martin Kottmeyer pelo conjunto de ensaios abordando os aspectos culturais da chamada ufologia. O prolífico autor possui uma enorme quantidade de trabalhos, alguns dos quais já traduzidos e publicados no sítio CeticismoAberto. Destes, podemos destacar "'Gauche Encounters': Filmes B e o mito OVNI", que sintetiza uma série de influências culturais diretas a diversos casos envolvendo supostos OVNIs e extraterrestres, bem como seu ensaio sobre a plasticidade do fenômeno, uma faceta evidentemente cultural. Kottmeyer também vai comumente além, atrevendo-se mesmo a fornecer soluções inusitadas e divertidas a casos particulares.

12/5/2007

Autótrofos: Aparece nova espécie de humanos que não bebem ou comemTradução de: http://english.pravda.ru/science/19/94/377/14815_autotroph.htmlby Origami Zen

11/5/2007

10/5/2007

9/5/2007

Encontrado planeta tão quente que brilha como brasa
http://www.estadao.com.br/ciencia/noticias/2007/mai/09/252.htm

Geoglifo gigante no Brasil
As coordenadas: -21° 48′ 18.53″, -49° 5′ 23.92″ — clique para visitar via Google Maps. Próximo de Ibitinga, ao norte de São Paulo, a represa "anatomicamente correta" — ou não tão correta, seria um homem com pernas muito curtas, e não apenas as pernas — fica no meio do nada. Alguém tem idéia do que seria?[Localizado por Edmar B. dos Santos e enviado ao Mighty Optical Illusions]
Postado em Fortianismo, Curiosidades

A Nasa iniciou nesta terça-feira os preparativos finais para o lançamento da sonda Phoenix, cuja missão será quase exclusivamente o estudo da água em Marte. A nave chegou ao Centro Espacial Kennedy, no Estado da Flórida, a bordo de um avião de carga da Força Aérea dos Estados Unidos. A decolagem está marcada para 3 de agosto.

Assista a Gizmo
"Gizmo" é uma compilação fabulosa de invenções do início do século XX demonstradas em seu magnífico fracasso por seus próprios inventores. Alguns filmes, principalmente as tentativas fracassadas de vôo, são muito famosos — um homem com asas caindo de cara no chão é a essência da comédia pastelão –, mas "Gizmo" é o documentário original de 1977 com nada menos que uma hora de vinte minutos. Howard Smith teve o cuidado de excluir qualquer filmagem que tenha resultado na morte do inventor, já que como contou a David Letterman, em exibições teste a audiência parava de rir por quinze minutos depois que alguém morria. Isso lembra que as exibições hoje cômicas e cândidas, permenecem sim demonstrações essencialmente belas de inventividade e coragem. Vale lembrar que naquela época a ciência e tecnologia ainda eram vistas como meios de transformação positiva do mundo, e o cidadão comum ainda achava ser capaz de desempenhar seu papel neste processo.[via Proceedings of the Athanasius Kircher Society]

8/5/2007

AGHARTA - El Mundo Subterráneo - por RAYMOND BERNARD
La palabra Agharta es de origen budista. Se refiere al Mundo o Imperio Subterráneo, en cuya existencia creen todos los budistas verdaderos. Ellos también creen que este Mundo Subterráneo tiene millones de habitantes y muchas ciudades, todas bajo el dominio supremo de la capital del mundo subterráneo, Shamballah. Allí vive el Gobernador Supremo del Imperio, conocido en el oriente como el Rey del Mundo. Se cree que él dio las órdenes al Dalai Lama del Tíbet, que fue su representante terrestre. Transmitió su mensaje por medio de determinados túneles secretos que conectaban el mundo subterráneo con el Tíbet. Hay agujeros semejantes en Brasil. Brasil, en el oeste, y Tíbet, en el este, parecen ser las dos partes del mundo donde se accede con mayor facilidad al contacto entre el Mundo Subterráneo y el mundo de la superficie, debido a la existencia de estos túneles. Nota completa en www.erks.org/newsletteragharta.htm

Um alien do tipo "grey" infiltrado no seio da população lusitana
Reportagem realizada pelo Jornal Nacional da TVI sobre a Ovnilogia Portuguesa. O caso mais interessante é o da base militar onde os operadores de radar foram "colocados pra dormir" por algo gigantesco que foi captado na tela do radar.
Acesse o link abaixo e veja o filme.
http://www.saindodamatrix.com.br/archives/2007/05/ovinologia_port.html

7/5/2007

Matemático cria tecnologia do avião invisível
http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,MUL31492-6174-6181,00.html

6/5/2007

Este vídeo é da década de 50.
http://www.youtube.com/watch?v=XJARrc40imk

Através da investigação, análise e casuística, no contexto ufológico das abduções — que a grosso modo podem ser definidas como o seqüestro de seres humanos por extraterrestres — chegamos a uma fase que alguns psicanalistas chamam de momento pós-traumático, no qual as pessoas submetidas à abdução, em 99,99% dos casos, sofrem de perda de memória ou o chamado Missing Time, que é quando não se lembram de muita coisa após o momento em que foram seqüestradas
André Luiz de Albuquerque Moreira

5/5/2007

Visite ao site http://www.ipati.org/ de Sonia Rinaldi. Bevemente estarei lá com áudios e relatos. Recomendo o livro de Sonia Rinaldi "Gravando vozes". Se houver possibilidade, enviarei por aqui matéria sobre a Transcomunicação. Abraço - Deires

"Nós, os Animais de Deus" - pelo Mestre Cósmico Apis Kemet (AWS) - Hierofante da Ordo Svmmvm Bonvm - (Em sua terceira personificação humana na Terra)http://svmmvmbonvm.org/rcralph/animais.htm

Inglaterra va a abrir sus archivos de OVNIs.
http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI1590874-EI301,00.html

O primeiro agraciado com o Prêmio Dragão Invisível é André Basílio, autor do site A Fraude do Século, que defende a idéia de que o homem nunca foi à Lua.
http://www.projetoockham.org/dragao_entrada.html

Mais uma Monografia Pública voltada para a Nova Era Mental acaba de ser disponibilizada por Illuminates of Kemet (Ordo Illuminati Aegyptorum) em seu site Brasileiro (IOK-BR). Trata-se de "Catarse e Caridade", de autoria de Frater Velado, 7Ph.D. Essa monografia examina o exercício da cooperação entre os seres para a promoção de uma vida melhor na Terra. Tem 28 páginas em formato .pdf (Adobe Acrobat) e pesa 670K. O endereço direto para leitura online e/ou download é:http://svmmvmbonvm.org/catarse.pdf

Ontem após o jantar, como sempre gosto de ver TV, especialmente as noticias e o mais imprecionante foi que deram uma noticia pela qual espero que eles tenham razão, em que cientistas e asseguram que combater o aquecimento Global é mais facil do que se julgava, mas para tal se teria de actuar já! E a China colaborar também! A China á o maior poluente neste planeta um só país polui mais que todo o Continente Americano e Europeu. Digamos que a China é o cancro do nosso planeta, e segundo a China não está disposta a colaborar, segundo entendi este sistema afetaria a economia chinesa. Se as negociações não correrem bem é bem possivel a existencia de um embargo aos produtos chineses. Abraço - Nuno Alves

4/5/2007

O garoto que veio de Marte
http://www.lema.not.br/indexxq2.php?pageartigo=faq&acao=
resposta&sub=&princi=&recstart=0&q_id=230

Chuva de meteoros será visível na madrugada
Fenômeno ocorre pela passagem da Terra pelo rastro do cometa Halley. Astrônomo Ronaldo Rogério de Freitas Mourão explica como observar melhor.
http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL31148-5603,00.html

UMA TEORIA INQUIETANTE - Relatada por Maurice ChântelainÈ curioso verificar que dois melhores especialistas americanos de pesquisa ufológica são precisamente os que tem, com maior frequência, mudado de opinião durante as suas carreiras – o que alias, os abandona a seu favor, pois tal atitude prova, pelo menos, que estão de boa fé e que dizem sempre o que pensam quando escrevem, sem se inquietarem como o que outros poderão pensar. Allan Hynek era já um astrónomo célebre da Universidade Noroeste de Evanston, Ilionóis, quando a Força Aérea americana lhe pediu que participasse no famoso "Livro Azul", que se seguia á Comissão Richardson e que procedia á célebre comissão Condon. Ele apercebeu – se rapidamente de que o objectivo daquele projecto não era estudar seriamente os fenómenos aéreos inexplicados, mas sim tentar convencer o público de que esses fenómenos eram todos explicáveis. Completamente desiludido, pediu a demissão. Retomou então as pesquisas por conta própria, fundou uma associação e publicou diversos livros, que todo o mundo conhece. Tornou – se assim, rapidamente, uma autoridade na matéria, a quem se recorria cada vez que havia um novo incidente. Ele tornou – se célebre no mundo inteiro, fez muitas conferências e foi muitas vezes entrevistado na televisão. Depois de ter pensado, no início, que os discos voadores não existiam, Hynek não hesitou em mudar de opinião quando se apercebeu de que estava enganado. Jacques Vallée, que é agora um americano de origem francesa, como eu próprio, trabalhava nessa altura como astrónomo no Observatório de Paris, onde estava encarregado da super visão dos satélites artificiais, russos ou americanos, que eram cada vez mais numerosos no céu. Um dia, em 1961. Jacques Vallée e os seus colegas viram, no seu telescópio, objectos voadores desconhecidos, que não eram certamente satélites de origem terrestre, pela simples razão de que giravam no outro sentido e que ninguém na Terra altura, possuía foguetões suficiente potentes para lançar um satélite retrógrado. A passagem no céu desses objectos desconhecidos foi cuidadosamente registada em fitas magnéticas, mas quando Vallée pediu para ver, alguns dias mais tarde, o patrão respondeu – lhe que elas haviam sido destruídas, pois era certamente o resultado de um erro e não tinham consequentemente, qualquer interesse para a ciência. Foi então que, profundamente decepcionado com a astronomia oficial, Vallée deixou o Observatório e foi prosseguir os seus estudos na América, na Universidade Noroeste, onde encontrou Allan Hynek, com quem simpatizou imediatamente. Esse foi o princípio de uma longa colaboração entre estes dois homens, que tentaram esclarecer o mistério dos discos voadores e que não admitiam que ninguém os impedisse de procurar a verdade. Nessa época estavam ambos convencidos de que os discos voadores existiam realmente e que eram de origem extraterrestre. No entanto, estas duas inteligências brilhantes iriam, uma vez mais, mudar de opinião e propor uma nova teoria. Num livro recente traduzido em francês e numa entrevista publicada pela revista Omni, Jacques Vallée propõe uma nova explicação para o fenômeno dos discos voadores, que é ainda mais inverosímil que as precedentes, mas que poderia infelizmente, ser perfeitamente exacta. Há já algum tempo que um certo número de investigadores independentes admite a hipótese de os discos voadores serem de origem terrestre, exceptuando os russos ou os americanos, que se vigiam mutuamente e demasiado para se poderem entregar a um divertimento desse tipo. Poderia, com efeito, existir na Terra, cujos continentes estão apenas parcialmente explorados e o fundo dos oceanos totalmente inexplorados, uma sociedade secreta muito poderosa, dispondo de recursos financeiros enormes, com bases subterrâneas ou submarinas, onde seriam construídas e lançadas máquinas misteriosas com a forma de discos voadores, propulsionadas por um campo único semelhante ao que Brown descobrira e cuja potencia fantástica demonstrou com Einstein durante a experiência de Filadélfia. O leitor antes de mais, não devia de sorrir, pois tal hipótese é perfeitamente plausível. Ela começa mesmo a ser seriamente estudada por alguns investigadores independentes e eu pergunto – me por vezes, se não devia estuda – lá eu próprio, quanto mais não fosse, para tentar provar que não pode ser correcta. Essa teoria explicaria, evidentemente, a maior parte dos mistérios relativos aos discos voadores, mas explicaria também um certo número de outros enigmas que parecem não ter qualquer relação com essas máquinas aparentemente inexplicáveis. Convencido de que o fenômeno OVNI poderia ser uma vasta organização de manipulação de massas, através das numerosas sociedades ufológicas, cujos fundadores afirmam frequentemente ter sido contactados por extraterrestres, Jacques Vallée iniciou uma investigação completa junto desses grupos fingindo acreditar nas suas teorias extravagantes, a fim de verificar se a sua hipótese poderia ser valida e se esses grupos poderiam ter uma origem comum, sem o saberem. E, naturalmente, começou pela Califórnia, onde vimos ambos e que naturalmente como se sabe, é o paraíso terrestre de todos os cultos e de todas as religiões mais incríveis. No seguimento de um longo inquérito que o levou até Paris, aos corredores de metro, á procura de Melquisedeque ele está agora persuadido de todas as seitas ocultas e todas as pessoas que contactou poderiam muito bem ser manipuladas por uma única organização central, muito rica e poderosa, com o objectivo de destruir a civilização ocidental actual, para substituir por uma espécie de ditadura religiosa militar. A propósito de religião Jacques Vallée conta que em 1967, quando se encontrava de visita ao departamento de física da Universidade do Colorado, teve ocasião de Jantar com Pr Condon e com os membros da sua equipa de investigação de fenômeno OVNI. Eles acabavam de receber meio milhão de dólares da aviação americana para tentar descobrir se os discos voadores existiam realmente se poderia constituir um perigo para a segurança nacional. Quando Vallée disse a Condon que a sua opinião, o problema OVNI deveria ser resolvido por meios científicos, ele respondeu – lhe que não estava tão convencido disso porque o fenômeno podia muito bem ser comparável ao da existência de Deus, isto é, situado para lá dos limites da ciência. Como podemos ver, a investigação científica sobre o mistério dos OVNI estava em boas mãos, e a CIA ou aviação americana, que escolhera Condon, encontrara um homem de que precisava. Voltando aos extraterrestres, o problema dos "contactados" é, para mim, tão misterioso como o dos discos voadores. Sem querer nomear ninguém, é um facto que um grande número deles não passam de escroques que procuram explorar a credulidade popular e que encontraram ai um meio de vida, á custa dos que acreditam neles. Tendo descoberto que a Califórnia é o país mais rico do mundo, um desses charlatães, que opera habitualmente em França, teve um dia a ideia de ir fazer uma conferencia em São Francisco para apresentar a sua nova religião do espaço, e ficou muito surpreendido por não ter feito nenhum sucesso. Cheguei a conhecer alguns desses profetas, homens e mulheres, pois sem que eu saiba porquê, a região de San Diego foi invadida por eles. A única explicação que me vem ao espírito é o facto de um verdadeiro profeta dever primeiro ir pregar e mendigar no deserto e San Diego estar apenas a uma centena de quilómetros do grande deserto da Califórnia. Mas existem igualmente verdadeiros contactados, cuja boa – fé não pode ser posta em dúvida e cujas revelações são, por vezes impressionantes. Encontrei frequentemente pessoas sem qualquer tipo de instrução que conheciam e compreendiam coisas estranhas, que atendendo à sua falta de formação, não deviam conhecer nem compreender. Tenho por vezes a impressão de que um ser superior se diverte a pregar partidas à humanidade, e tenho pensado muitas vezes que eu próprio podia ser vitima ou beneficiário desse jogo bizarro, sobre tudo desde que vivo na Califórnia. A partir do momento em que me alistei em San Diego, a minha vida mudou completamente. Apesar de ter recebido uma formação científica, eu possuía apenas conhecimentos muito relativos em matéria de radar ou de radiocomunicação. E no entanto, sem dúvida ajudado por uma força misteriosa, tornei – me rapidamente um dos melhores especialista americanos desta ciência excessivamente complexa. E vinte anos mais tarde quando tive de me reformar, um pouco mais cedo do que previra, devido ao abandono da maior parte dos programas de pesquisa espacial e da atitude vigilante da NASA, e me perguntei o que iria fazer, produziu – se o mesmo fenômeno misterioso. Embora nunca me tivesse interessado pelas civilizações antigas que viviam na Terra há milhares de anos, nem pelas civilizações extraterrestres que podiam existir no espaço há muito mais tempo, compreendi de repente a ligação que devia existir entre esses dois temas apaixonantes que ignorara até essa altura. Compreendi então que as primeiras civilizações humanas vieram de um outro mundo do espaço e tive ao mesmo tempo a certeza de que poderia conseguir prova – lo. Esta foi a origem dos sois livros que já publiquei. Estou portanto, completamente convencido de que existem contactados sinceros, e é por isso que entendo que todos nos temos a obrigação de tentar desmascarar os que não são. Existem contactados cuja missão e poderes são indiscutíveis. No plano religioso, é evidente que Moisés, Jesus, Joana d´Arc ou Joseph Smith eram contactados. No plano físico, é também evidente que Edgar Cayce, Bligh Bond, Scott Elliot e Stephen Ossowiecky o eram igualmente. Pelo contrário existem outros que são muito discutíveis, sem que seja possível formar uma opinião definitiva sobre eles. E é por exemplo o caso dos que praticam a escrita automática. Durante vários meses após a publicação do meu primeiro livro na América, em 1878, comecei a receber todos os dias, de Lakeside, que fica junto a San Diego, num envelope com várias paginas dactilografadas por uma correspondente desconhecida, ditadas pelo seu guia espiritual, chamado Hilarion, que comandava uma esquadrilha de discos voadores que patrulhavam o espaço sobre a Califórnia desde há muitos anos. Segundo esta correspondente, Hilarion escolheram – me para ser o deposito da sua mensagem aos habitantes da Terra, e ela queria à viva força encontrar – se comigo o que acabei por aceitar, na esperança de nunca mais ouvir falar no assunto e de não voltar a ser inundado com as suas mensagens vindas do espaço. Vi – me em grandes dificuldades para me desembarcar do problema, tentando explicar – lhe que me sentia indigno de tal honra mas meu espírito ficou sempre uma dúvida. É possível que afinal, ela não fosse tão louca como parecia e que tinha, na verdade, sido contactada. Um outro correspondente desconhecido enviou – me um dia de Paris, uma fita magnética cuidadosamente gravada, na qual contava como havia entrado em contacto com o comandante de uma esquadrilha de discos voadores, o que lhe explicara o motivo por que vieram à Terra e recomendaram que entrasse em contacto comigo. Respondi – lhe que estava muito lisonjeado, mas que não me sentia digno, e que nunca mais ouvi falar dele. Depois de vários incidentes desse género, que se seguiam sempre ao meu aparecimento na televisão americana, os meus amigos começaram a perguntar – me do que é que estava á espera para fundar uma nova religião cósmica, de que seria obviamente, o profeta, ou guru, se preferirem. Infelizmente, não sinto qualquer inclinação para esse tipo de empreendimento. A propósito de histórias extraordinárias de contactados, creio que chegou o momento de vos contar uma que sai verdadeiramente dos limites das coisas verosímeis e que inicialmente, tomei como uma história de loucos. Mas agora, depois de ter longamente reflectido no assunto, não estou tão certo disso. Acertei mesmo traduzir para Francês o livro americano de Margaret Williams, que foi testemunha principal dessa experiência.Na primavera de 1957, quando o tema da reencarnação de Bridey Murphy revolucionava a vida americana, dois californianos chamados Merl e Margaret Williams apaixonaram – se pelo assunto e tornaram – se fanáticos do hipnotismo e da regressão no tempo. Travavam, assim conhecimento com dois hipnotizadores célebres, primeiro Emile Franchell e depois Lee Gladenn. Este último ecercia frequentemente os seus talentos sobre uma jovem estudante de dezanove anos, chamada Robin Greenwood, que parecia ter conseguido entrar em comunicação com uma outra civilização do espaço. Foi assim que, na noite de 14 de Abril de 1957, um grupo de amigos se encontrou reunido em casa de Lee Gladden, em Riverside, a leste de Los Angeles. Estavam presentes Merl e Margaret Williams, Robin Greenwood, Lee Gladden e a sua mulher, Vivianne, bem como varias outras testemunhas. O objectivo da reunião era hipnotizar Robin Greenwood e tentar fazê-la recuar no tempo numa tentativa de descobrir se ela se recordaria de ter vivido outras existências anteriores. Mal adormeceu, Robin começou a contar a sua infância, depois o seu nascimento, depois o tempo em que esteve dentro do ventre da mãe, com a cabeça sobre os joelhos e sentindo – se muito bem. Quando Lee lhe pediu que recuasse ainda mais no tempo. Robin endireitou – se no sofá. Contou então que tinha anos, que não sabia se era rapaz ou rapariga, que não tinha roupas e que estava na neve ao pé das montanhas, o que parecia bastante bizarro. Quando Lee perguntou a Robin como se chamava, ela respondeu que não tinha nome e que apenas tinha mãos. Lee perguntou – lhe então se ela tinha duas mãos, mas ela respondeu que não, que tinha oito. Os assistentes estavam estupefactos. Lee perguntou – lhe a seguir a que é que as mãos estavam ligadas. Ela respondeu que cada uma das suas oito mãos estavam ligadas a um braço, que por sua vez, estava ligado a um corpo central em forma de cúpula. Era em suma um ser estranho em forma de estrela-do-mar, com uma cúpula central oito braços e oito mãos. Era essa cúpula, sem dúvida sensível à luz, que via o que passava à sua volta. Como essa criatura insólita não tinha nome, Lee propôs – lhe sempre por intermédio de Robin, chamar – lhe Mãos; o monstro pareceu muito satisfeito com o seu novo nome, o qua foi então utilizado para contar a historia, e que, mais tarde, serviu de titulo ao livro americano publicado por Margaret Williams. Soube – se a seguir que Mãos era vegetariano e que se alimentava exclusivamente de plantas, que absorvia lentamente pela parte inferior da sua cúpula, colocando – se sobre elas. Podia deslocar – se muito depressa em qualquer, servindo – se das suas oito mãos. Havia muitos seres semelhantes à sua volta que procuravam alimento na neve. No seu mundo existia apenas Terra, neve, gelo e água, na qual havia peixes grandes mas onde Mãos não podia ir porque eles o atacavam de cada vez que tentava. Esses peixes tinham olhos. Os presentes começaram a ficar muito decepcionados. Foram ali para ouvir Robin contar uma das suas historias das suas vidas anteriores, podendo até ter sido Cléopatra ou Messalina, ou apenas uma criada de hospedaria em Ingalterra, na Idade Media, mas não podiam aceitar um monstro de oito mãos que nem sequer tinha cabeça. Pediram, por isso a Lee que interrompesse a experiência, que não podia conduzi – los a nada. Ficaram então muito surpreendidos, durante uma segunda experiência com Robin, quando verificaram que Mãos continuava presente e que lhes contava agora coisas mais interessantes, em particular sobre os seu contactos com uma outra civilização, cujos seres eram bastante mais parecidos connosco, pois tinham, pelo menos, uma cabeça, dois braços e duas pernas. Quando Mãos indicou que o seu planeta tinha três sois e treze Luas, Lee começou a ver que esses planetas não podiam pertencer ao nosso sistema solar e que ao hipnotizar Robin, cometera certamente um erro qualquer. Era evidente que a transportara no espaço em vez de a fazer recuar no tempo, e então tudo o que lera sobre as estranhas relações do tempo e do espaço veio – lhe bruscamente ao espírito. No entanto, e uma vez que Robin se encontrava num outro planeta, num sistema estelar desconhecido, havia que tirar partido disso para obter o máximo de dados. Os presentes ficaram assim a saber que a existia um outro planeta chamado Cenos, cujos habitantes, bastante parecidos connosco, conheciam a nossa Terra, onde já vieram várias vezes, há muito tempo, e onde construíram monumentos em diversos sítios aprenderam também ainda muitas outras coisas, que seria fastidioso conta aqui pois houve, ao todo quarenta e oito sessões ao longo de sete anos. Além disso afastar – nos – íamos do nosso assunto. Como muitos outros casos de regressão hipnótica, a história de Robin é muito difícil de aceitar, sobretudo por espíritos científicos como o meu. Por isso, ainda não consegui decidir se devo ou não acreditar nela, apesar de ter em meu poder uma cópia da fita magnética que foi gravada durante uma daquelas sessões. Devo confessar que é impressionante. Tem – se verdadeiramente a impressão de que se trata de um ser de uma outra raça e de uma outra civilização, vindo do fundo infinito do espaço, que nos fala por intermédio de Robin, com uma voz estranha que nada tem a ver com a sua. E no entanto, se a história de Mãos fosse verdadeira, apesar de toda a aparência em contrario, bem como outras histórias de contactos extraterrestres de que falamos? Não seria estúpido da nossa parte ignora – las sistematicamente, em nome da ciência e do racionalismo, sob pretexto de que parecem inverosímeis? Não seria colo Carmo – nos ao nível dos pontífices da ciência oficial, que afirmavam que o sol girava à volta da Terra e que mais recentemente, não acreditavam que os aviões pudessem voar e, muito menos, passar a barreira, do som ou a do calor, ou ainda que o homem não poderia nunca escapar à atracção terrestre lançando – se à conquista do espaço? E todavia, tudo isso aconteceu, tal como muitas outras coisas que a ciência se obstina em ignorar, como a teoria do campo único de Townsend Brown e Albert Einstein, que é, sem dúvida, o segredo do sistema de propulsão dos discos voadores, cuja existência os nossos sábios racionalistas se recusara a reconhecer. Por que razão não pode haver no universo outros seres tão inteligentes como nós, mas com um aspecto completamente diferente? Temos já o exemplo dos golfinhos, que são, indubitavelmente, mais inteligentes que muitos de nós e cujos primos vivem talvez, num outro planeta inteiramente coberto por água, como o foi sem duvida a Terra há alguns milhões de anos.
Os Mensageiros Do Cosmo Nuno AlvesAPO


3/5/2007

Descoberto o mais maciço planeta extra-solar
Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI1589812-EI302,00.html

Há material derretido no núcleo de Mercúrio, diz estudo
Fonte: http://www.estadao.com.br/ciencia/noticias/2007/mai/03/216.htm

Sonda da Nasa faz imagens de Júpiter e sua lua
Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI1586551-EI301,00.html

Sonda Corot descobre seu primeiro exoplaneta
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u16386.shtml

Descobertos traços de erupção vulcânica em Marte
Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI1591632-EI301,00.html

2/5/2007

Que acham disso?? Para aqueles que não acreditam em uma raça reptoide.
http://www.sabon.org/credo/index3.html
Nilvio Almeida

Super-hiper-ultra-Coincidência Cósmica

Parece-me válida a Gaiola de Faraday, mas não só necessária a transcomunicação. Sendo um isolante magnético sabemos, o ufólogo e telepata Lafayette já nos deu explicação. Na TCI dispomos dos aparelhos eletrônicos e sempre inovando. Quem tem conhecimento das vozes recebidas de outras dimensões, os chamados transcontatos, verão o quanto estamos adiantados neste campo da pesquisa. Nos contatos recebidos as vozes nos chegam mais nítidas e num processo de filtragem, facil entendimento aos que não estào habituados com elas. Estarei brevemente expondo o nosso trabalho, no site: http://www.ipati.org/ convidada, gentilmente pela trascomnicadora Sonia Rinaldi. A ufologia nos dá também suporte a pesquisa pois que algumas entidades se identificam de extraterrestres.
Deires

Para: Amigos da Leitura
Assunto: (Amigos_da_Leitura) Lançamento (EM ARQUIVO ÚNICO: 11,5 Mb.): O Ouro dos Deuses.doc - Erich von Däniken – Ilustrado
De: SusanaCap - Juntei tudo num único arquivo. Ficou com 11,5 Mb.
http://www.esnips.com/web/arquivoe-ErichVonDaniken

Serão os Ovnis seres vivos? Pois é amigos, alguns investigadores acreditam que os ovnis sejam realmente seres vivos oriundos de outros planetas! Segundo alguns, cientistas da qual não me recordo do nome alegam suspeitar que estes seriam seres vivos que se deslocariam para o nosso planeta Terra no âmbito de reprodução, denominadamente pelas condições que o nosso planeta possa dar a estes seres vivos. Por outro lado existe uma controvérsia, sobre esta situação onde existe uma tese, mais plausível por parte de investigadores, que acreditam fortemente que estes sejam seres vivos que habitam na estratosfera, bem longe dos nossos olhos. Acredita – se por uma grande parte de científicos que estes objectos possam, ser animais como os que temos nos mais fundos mares dos Oceanos. Dai que em algumas situações estes objectos possam emitir luz! Tal como os peixes, eléctricos. Dai o ataque a pessoas em busca de alimento, o que se assemelha ao "chupa chupa", da operação prato, onde um tipo de raio lazer faria escoar o sangue da vitima. Parece existir uma nova vertente sobre este tão misterioso fenômeno! A explicação apresentada dá que pensar. Mas na minha opinião e de ser uma pessoa de mente aberta, posso por uma forte possibilidade desta vertente ser verdadeira! Mas não acredito que o sejam na totalidade! Os oceanos estão ainda por ser explorados, onde os fundos do mar ainda nos são desconhecidos. Da mesma forma poderemos falar da estratosfera. Dai em que algumas situações observamos imagens fantásticas de satélite, onde estranhos objectos se movem misteriosamente dentro da estratosfera. Como as famosas imagens "células" captadas pela agencia espacial NASA, que foram divulgadas em filme EVIDENCE FOR UFO NASA, que fez bastante sucesso nos Estados Unidos. Mas embora seja mesmo uma pessoa de espírito aberto também tenho as minhas desconfianças sobre o assunto, e defendo mais a minha teoria! Embora esta possa ser uma forte realidade, não ponho de parte que esta também seja mais uma forma de colocar as pessoas no cepticismo de que os discos voadores não existe! Se estes objectos são animais, como se justifica as abduções e os testemunhos de milhares de pessoas que viram, estranhos seres tripulantes a sair do interior de, tais objectos?
Onde as testemunhas foram submetidas a regressão hipnótica! Se existir alguém defensor desta teoria gostaria que publicasse um tema baseado nesta síntese. Abraço Nuno Alves

1/5/2007

Jaula de Faraday
http://www.feiradeciencias.com.br/sala11/11_47.asp

Mori: Concordo com você em parte. "Deires, a Gaiola de Faraday tem o objetivo de isolar seu interior de influências eletromagnéticas externas.". (explicação também de Lafayete ) Nada entendo de eletrônica, e sim, de transcomunicação, e muito ainda terei de aprender de ufologia com os meus colegas daqui, porque é um assunto que tenho interesse por estar relacionado com o meu trabalho.Quanto a telepatia, até é possivel na TCI com os aparelhos eletrônicos, o radio, por exemplo, tem uma influência magnétia com a mente do comunicador, porque quando sintonizamos em alguma estação, sem ruidos externos, a mente está concentrada ao trabalho do transcomunicador. Uma antena vibratória localizada no cérebro faz com que os transcontatos se processem.(minha teoria). Acredito que existam extraterrestres não só como espiritos, mas mentores de alta evolução técnica-espiritual. Uma caso de telepatia, ocorrido há muito tempo, numa das minhas expeirências: Estava numa madrugada olhando o céu, (morava num apto) conectada mentalmente com os extraterrestres Pedia que se manifestassem, caso estivessem me vendo. De repente surgiu um triângulo equilátero de cor alaranjada, que foi aumentando até atingir o tamanho de um "ultra leve". Estava no momento sozinha. e nem me preocupei em fotografar porque eu não conhecia ainda a TCI. Costumava ler assuntos científicos, de preferência, e sobre efeitos físicos. A revista Planeta na época, apresentou na semana seguinte na capa da revista um Triângulo Equilatero Alaranjado tal qual a minha visão, com o título: "Sinal de Extraterrestre!" Concidência? Mas voltando ao assunto: A TCI se baseia na captação de vozes. Telepatia ou não elas surgem pela parelhagem eletrônica. Provas, tenho de centenas vozes gravadas e arquivadas. Quanto a Gaiola de Faraday, não é o meu campo de pesquisa., apenas citei aqui porque havia lido um certo comentario por aqui.

Abraços
Deires


Laberintos
http://www.ceticismoaberto.com/ciencia/feynman_cultocarga.htm

Intensidade dos raios ultravioleta do sol é de "extremo alto risco"
Nunca foi tão perigoso tomar sol nesta região do continente. Proporções inéditas no buraco da camada de ozônio estão fazendo a incidência dos raios ultravioleta B, causadores de câncer, atingir níveis altíssimos, segundo pesquisa da PUC.
Francisco A. Pereira

Você já pensou na hipótese dos Discos Voadores serem provenientes da própria Terra ao invés do espaço? Você já pensou na hipótese dos "extraterrestres" na verdade serem intraterrestres ou terrestres? Que provas nós temos de que somos realmente visitados por seres de outros planetas? Aqui discutimos abertamente a possibilidade da verdade estar aqui dentro mesmo e não lá fora.http://br.groups.yahoo.com/group/intraterrestres/Veja nossa chamada em: http://www.youtube.com/watch?v=dPS7Nl-jFe0Veja nossa abertura em: http://www.youtube.com/watch?v=HTRfCY1XR5k

APARELHOS VOADORES NA ÍNDIA ANTIGA
«No Rig-Veda conhecem-se hinos dedicados aos gêmeos divinos «Aswins», aos «Rbhus» e a outras divindades. Nesses hinos manifestam-se os primeiros indícios de certas carruagens capazes de sulcar os ares levando a bordo seres vivos. Esses veículos voadores recebem a designação de «rathas» pela primeira vez no Rig-Veda (a tradução literal daquele vocábulo é «veículo» ou «carro»). Os «Rbhus» construíram um carro voador para os gêmeos «Aswins», que apareciam como médicos dos deuses. Este carro voador era extremamente cômodo. Podia voar-se com ele por todos os lados e mesmo atravessar as camadas superiores de nuvens e percorrer o céu». No hino refere-se que esses carros voadores eram mais rápidos que o pensamento. O aparelho voador tinha grandes dimensões, era composto por 3 partes e era triangular. Requeria pelo menos 3 pessoas ao seu serviço. O veículo dispunha de 3 rodas que se recolhiam durante o vôo. Acrescenta-se que o carro voador possuía 3 «pilastras». Normalmente o veículo voador era construído no Rig-Veda com metais como ouro, prata ou ferro, mas o mais utilizado segundo os textos vedas era o ouro cujo brilho maravilhava. Cravos ou objetos parecidos com pregos mantinham o carro unido. Para fazer andar os supracitados carros celestes de combate utilizavam-se fluidos cujos nomes não têm hoje tradução correta. As palavras madhu e anna significam mais ou menos «mel» e «fluido». O carro evoluía com mais leveza que um pássaro dos céus, saía disparado em direção à Lua ou mesmo ao Sol e pousava na Terra com enorme estrondo. Convém referir que no Rig-Veda se mencionam diversos tipos de combustível conservados em recipientes diferentes entre si. Ao mesmo tempo especifica-se que o veículo ia para o céu sem qualquer ajuda de «tração animal». Quando o veículo descia das nuvens, juntavam-se em terra grandes multidões para presenciar a aterragem. Sem contar com os referidos pilotos, o veículo celeste acomodava o rei Bhujyu, salvo do naufrágio, a filha de Surya e a mulher Sandra, e ainda mais três pessoas. Por conseguinte, a carruagem podia levar um total de 7 ou 8 pessoas. Além disso tinha características anfíbias, pois podia pousar sobre o mar sem sofrer qualquer dano, e dali alcançar a costa. No Rig-Veda 1.46.4. são mesmo referidos três carros de combate voadores que entraram em ação em diversas operações de salvamento. Enumeram-se trinta ações heróicas ou mais, entre as quais o resgate em naufrágios e cavernas, em formações inimigas e câmaras de tortura. Segundo as descrições do Rig-Veda, esses carros especiais de combate devem ter sido muito espaçosos, executavam as mais diversas operações e as suas descolagens faziam-se com enorme estrondo. Por outro lado, as suas aparições eram grandiosas. Algumas palavras nos textos vedas requerem uma atenção muito especial devido ao espinhoso nexo casual. Essas palavras são madhu, anna, trivi e trïbandhura. A palavra madhu significa mais ou menos «mel» em sânscrito clássico, e no entanto no dicionário equivale também a «soma» ou «substância fluida». Anna, que normalmente se refere ao arroz cozido, representa aqui o suco do arroz fermentado. Presume-se que queira significar uma mistura líquida de álcool e suco soma, que se conserva e emprega como combustível. Aqui há ainda outra coisa curiosa, a saber, o veículo voador deixava rasto de rodas quando se movia por terra. Certos aparelhos voadores descolavam e aterravam dentro de um horário determinado: 3 vezes durante o dia e outras 3 durante a noite. Na passagem 1.166.4-5 do Rig-Veda, o vôo dos marut tem ares de realidade. Os edifícios abanavam, os arbustos e as árvores pequenas ficavam desenraizados, cavernas e colinas multiplicavam o eco da estrondosa descolagem, e o céu parecia como se se enrugasse e desfizesse em bocados com o fragor ensurdecedor do veículo voador. A este respeito gostava de dizer qualquer coisa sobre a palavra Vimana, como perito. Esta aparece pela primeira vez na acepção de veículo voador no Yajur-Veda, 17.59. Antes, o vocábulo tinha tido diversas aplicações, por exemplo, «aerotermo», «calculador do dia» ou «criador do céu». Em todas estas acepções, a palavra está relacionada com a vastidão do firmamento e a sua medição. Ora bem, no Yajur-Veda 17.59 e segs. descreve-se taxativamente o Vimana como veículo voador. Essa palavra nesses versos empregada no nominativo representa qualquer coisa que «enche de esplendor o firmamento», «ilumina toda a região», «contém uma substância fluida» e pode seguir o nascer do Sol e o pôr-do-sol, bem como da Lua. Na literatura clássica e em todos os puranas, vimana é o nome genérico para designar um veículo voador. Os seguintes extratos da epopéia épica Ramayana demonstram como se empregam os vocábulos vimana e ratha para designar objetos voadores: «E ele subiu, juntamente com Khara, para o veículo voador que estava decorado com jóias e rostos de demônios. Este moveu-se com um estrondo semelhante ao trovão vindo das nuvens.» (3.35.6-7) «Sobe para esse veículo adornado com jóias que pode andar pelo ar. Depois de ter seduzido Sita (a mulher de um rei) podes ir onde quiseres; levá-la-ei, pêlos caminhos do ar, até Sri Lanka (hoje Ceilão). Assim, Ravana e Maricha subiram para o veículo aéreo que se assemelhava a um palácio («vimana») (3.42.7-9) «Tu, infame, julgarás poder alcançar o bem-estar através desse veículo aéreo?» (3.30.12) «Então o próprio veículo aéreo que tem a velocidade do pensamento apareceu de novo em Lanka com as pobres Sita e Trijata.» (4.48.25-37) «Este é o notável veículo aéreo puspaka, que brilha como o Sol.» (4.121.10-30) «O objeto voador adornado com um cisne elevou-se no ar entre ruídos ensurdecedores.» (4.123.1) «Todas as mulheres no harém do rei Sugriva concluíram rapidamente as decorações e subiram para o aparelho aéreo.» (4.123.1-55) Os textos do Ramayana descrevem veículos celestes que acabam em bico, movem-se com extraordinária rapidez e têm uma carapaça que reluz como o ouro. Os veículos celestes continham diversas câmaras e mostravam pequenas janelas enfeitadas com pérolas. No seu interior havia salas cômodas e ricamente decoradas. Os andares inferiores estavam dotados de vidros, e todo o espaço interior tinha tapetes e paredes revestidas. Os veículos eram muito espaçosos e tinham acessórios luxuosos. Os veículos aéreos descritos no Ramayana podiam transportar 12 pessoas. Partiam do Sri Lanka de manhã e chegavam a Ayodhaya à tarde, depois de aterragens intercalares em Kiskindhya e Vasithasrama. Assim, esses veículos cobriam uma distância de uns 2.800 quilômetros em 9 horas. O que equivale a uma velocidade de 320 Km/h. A palavra vimana emprega-se nas passagens citadas para designar o veículo voador, com exceção de dois casos. As passagens até agora expostas não permitem inferir que uns seres «divinos» ou «celestiais» tivessem conduzido aqueles veículos celestes. As construções voadoras foram utilizadas por pessoas do topo da hierarquia, digamos, famílias soberanas ou chefes militares. No entanto, em toda a literatura sânscrita faz-se constar repetidas vezes que a técnica de construção de objetos voadores provém dos deuses. Ainda assim, estabelece-se uma clara distinção entre os deuses nas suas gigantescas cidades espaciais e as pessoas eleitas que podem visitar essas cidades apenas em casos excepcionais. Assim, quando se descreve a viagem de Arjuna ao céu diz-se que Arjuna deve atravessar muitas regiões celestes e de passagem apercebe-se de centenas de outros veículos aéreos. Alguns desses veículos aéreos encontram-se em pleno vôo, outros sobre o chão, e outros ainda a ponto de se elevarem. Os textos do Sabhaparvan proporcionam indicações pormenorizadas sobre esses «seres celestes». Segundo parece, estes chegaram à Terra em tempos remotos para estudar os humanos. Moviam-se à vontade pelo espaço e sobre a terra. Descrevem-se diversas construções chamadas «sabha» que traçavam as suas órbitas no céu, pausadamente, como os satélites atuais. Do interior desses satélites gigantescos que hoje se chamariam construções ou cidades espaciais saíam, a voar, «vimanas» de tipos muito diversos. Essas construções espaciais eram de um tamanho gigantesco e brilhavam como prata, no céu. Continham víveres, bebidas, água e todas as comodidades da vida concebíveis, assim como armas horríveis com a sua munição. Uma dessas cidades espaciais que giravam permanentemente sobre o próprio eixo chamava-se Hiranyapura, o que se pode traduzir como «cidade do ouro». Tinha sido construída por Brama para as «diabas» Pulama e Kalaka. Esta cidade espacial era inexpugnável, e as duas diabas alcançavam êxitos tais com a sua defesa que até os próprios deuses se mantinham a uma distância prudente da cidade espacial. Contudo, acabou por correr uma batalha. Os capítulos 168, 169 e 173 do Vanaparvan (parte integrante do Mahabharata) descrevem-na. Arjuna, o herói divino do Mahabharata, tinha uma dívida pendente para com as diabas da cidade espacial, que se multiplicavam de forma alarmante. Quando Arjuna se aproximou da estrutura espacial, as diabas defenderam-se com armas prodigiosas. Eis aqui um extrato: «Houve uma batalha espantosa, durante a qual a cidade aérea saiu disparada para o céu e depois aproximou-se de novo da terra enquanto oscilava de um lado para o outro. Depois de uma luta longa e estrondosa, Arjuna fez um disparo tão destruidor que a cidade rebentou em bocados e estes caíram na terra, um a seguir ao outro. As diabas sobreviventes surgiram das ruínas e continuaram a combater, obstinadas. Por fim todas as diabas foram aniquiladas. Indra e os restantes deuses engrandeceram Arjuna como herói.» No Vanaparvan há ainda outras cidades espaciais que giram sobre os próprios eixos. Chamam-se Valhayasi, Gaganacara e Khekara. No Sabhaparuan descrevem-se estruturas muito peculiares que o deus Maya fez construir e transportar para essas cidades espaciais. (A designação dessas estruturas é insusceptível de uma tradução clara. Da raiz pode inferir-se qualquer coisa como «espaços repletos». Parece significativo a este respeito o fato de que estações orbitais autênticas girassem em volta da Terra e tivessem aberturas que serviam de hangares para dar entrada a objetos voadores menores. Estas descrições antigas assemelham-se aos projetos e esboços atuais para a construção do habitat espacial. Por um lado, os objetos voadores partiam do habitat espacial em direção à Terra, e por outro esses mesmos veículos voadores eram construídos na própria Terra. A maior parte deles recebia o nome de vimana. Só no Mahabharata há 41 passagens onde os «vimana» voadores são mencionados. Muitas vezes torna-se difícil distinguir entre os vimanas procedentes das cidades espaciais e os construídos na Terra. Talvez os parágrafos que se seguem sirvam para o confirmar: Os deuses criaram esse dispositivo mecânico com uma finalidade concreta. A pessoa eminente que subiu para o veículo celeste teve a admiração dos deuses. Ah, Uparicara Vasu! A espaçosa máquina voadora irá até ti, e se te acomodares nesse veículo, serás o único ser humano a assemelhar-se a uma divindade. Através do feitiço de uma oração, o deus Yama foi para Kunti num veículo aéreo. Ah, descendente de Kurus, essa pessoa malévola desceu dessa carruagem voadora que pode mover-se para frente por todos os lados e é conhecida como «saubhapura». Quando ele desapareceu do campo visual dos mortais, elevando-se muito alto no céu, distinguiu milhares de veículos aéreos estranhos. Ele, o predileto de Indra, entrou no palácio divino e viu milhares de veículos voadores para os deuses, uns postos de lado, outros em movimento. Os grupos de marut chegaram em veículos aéreos divinos, e Matali, depois de ter falado desta maneira, levou-me (Arjuna) na sua carruagem voadora e mostrou-me os outros veículos aéreos. Do mesmo modo, os homens movem-se pelo céu em veículos aéreos que eles próprios decoram com cisnes e são tão cômodos como palácios. O grande senhor proporcionou-lhe um veículo aéreo que se movia sozinho. Em diversas passagens dos significativos textos pertencentes à literatura budista, encontra-se o conceito «vimana» com o significado de veículo aéreo. Por exemplo, no Vimana Vatthu, parte integrante do Mahavamsa, citam-se os soberbos lugares chamados vimanas que serviam de morada para os espíritos venturosos. Também se fala de um palácio rutilante que se balança no ar. Alguns eruditos tendem a interpretar o conceito vimana na literatura budista como palácio que servia de morada a deuses e espíritos venturosos. No entanto, a palavra vimana emprega-se muito raramente em relação a moradas humanas. Assim, a expressão vimana representa claramente um veículo aéreo, na primeira parte do Sulavamsa. A descrição textual é a seguinte: «A gigantesca cidade estava repleta de centenas de carruagens aéreas feitas com ouro, pedras preciosas e pérolas, pelo que se assemelhava a um firmamento estrelado.» A maior parte da literatura budista entende o conceito vimana com o significado de um palácio ou carruagem aérea celeste e locomóvel. E com este sentido que o utilizam a literatura veda e os purana, e mais tarde a literatura clássica. Três exemplos bastam para o ilustrar: A grande divindade desceu da carruagem aérea. O veículo aéreo divino governado por Matali chegou do céu. Quando o rei Supama foi jogar dados, a sua mulher Susroni desceu do veículo aéreo. Nas obras de Kalidasa encontra-se outra referência autêntica aos veículos voadores. Este escritor da Índia antiga descreve com minuciosidade gráfica e precisão científica o vôo realizado por Rama do Sri Lanka até Ayodhaya: «Quando ele alcançou as alturas, abriu-se à sua vista o cenário panorâmico do mar ondulante, dos animais marinhos e das formações subaquáticas. O contorno do mar parecia a aresta de uma apertada roda de ferro.» «A carruagem aérea moveu-se para cima e para baixo muitas vezes, entre as nuvens, de seguida desceu às camadas mais baixas, onde voam pássaros, e depois subiu de novo para as 'rotas dos deuses'.» «Após uma travessia sobre parte do oceano, alguns rios, lagos e uma ermida, a carruagem aérea celeste pousou em Uttarakosala. Os humanos que se juntaram junto ao lugar onde ficou imóvel contemplaram-no estupefatos, Rama abandonou-o por uma elegante escada de metal resplandecente.» «Depois do encontro, Rama e Bharata, acompanhados por outros, subiram pela mesma escada para o veículo celeste engalanado com bandeirolas. Bharata rendeu homenagem a Shita, que estava sentada no interior do aparelho voador.» «O veículo voou lentamente cerca de um quilometro, a seguir apressou o andamento e pouco depois alcançou Ayodhaya, a capital de Rama.» Em suma, uma descrição muito gráfica de uma viagem aérea ao longo de 2.900 Km, mais ou menos. Concretamente desde o Sri Lanka até Ayodhaya, passando por Setubandhan, Mysore e Allahabad. Kalidasa menciona alguns pormenores desconcertantes que nos fazem pensar em vão. Quando o rei Dusyanta desceu do veículo aéreo de Indra, observou atônito que as rodas do veículo não levantavam pó nem faziam barulho, embora todas elas girassem. Estupefato, percebeu que nenhuma das rodas tocava no chão. Matali indicou que isto se devia à qualidade superior do veículo de Indra. Isto confirma a suposição de que há duas categorias de veículos aéreos: os fabricados e utilizados pelos deuses; e os procedentes de oficinas terrestres. A história dos dois irmãos Pranadhara e Pajyadhara exemplifica a construção terrestre de veículos aéreos, automáticos e independentes. O veículo que ambos construíram conseguiu percorrer 3200 quilômetros sem parar; e os heróicos irmãos abandonaram o seu país nesse aparelho voador para alcançar um continente remoto. Nesse mesmo relato são descritos uns autômatos mecânicos com aparência humana. Por último, na mesma fonte é narrada a viagem do rei Narabahanadutta num gigantesco veículo aéreo. Esta carruagem celeste colossal podia transportar umas mil pessoas, e segundo se conta tinha levado muitos humanos para Kausambi. O Kattrasaritsagar é uma coleção de crônicas de diversas épocas que contém tradições históricas e lendas de tempos pretéritos. Também lá se fala de um veículo aéreo que «nunca precisava de encher os depósitos» e transporta pessoas para um país longínquo que ficava para lá dos mares. Dessas histórias tradicionais e sagas infere-se que os homens da Índia antiga conheciam a máquina voadora nas suas mais diversas versões. Acrescentemos apenas isto: do mesmo modo, há incontestáveis indicações sobre dispositivos técnicos e mecânicos como clepsidras, autômatos, aparelhos de rega mecânicos, pássaros artificiais e produção de nuvens artificiais. Segundo refere o Mahabharata, Viswakarma e outros, concretamente os chamados descendentes dos deuses, em busca das origens dessa antiqüíssima ciência de voar, agiram como «arquitetos principais dos deuses» e fabricaram carruagens voadoras. Uma parte desse saber chegou até aos homens. Há uma informação adicional no Sabhaparvan do Mahabharata em que se alude a Maya, o arquiteto-chefe dos «demônios», dizendo que não só projetava máquinas voadoras mas também cidades espaciais gigantescas, conhecidas pelo nome de «gaganacarasabha».Além disso, alguns palácios maravilhosos levavam a marca do seu saber como projetista. Se se seguir esse rasto até ao fim descobrir-se-á nos textos do Samaranganasutradhar que o próprio Brama em tempos imemoriais construiu cinco naves aéreas muitos espaçosas que tiveram mesmo um nome (1 Vairaja, 2 Kailasa, 3 Puspaka, 4 Manika, 5 Tribistapa). Os donos dessas prodigiosas naves ou cidades aéreas foram Brama, Xiva, Yama e Indra. Na mesma obra formula-se um princípio fundamental da construção de palácios que tem uma importância decisiva para os templos indianos. Ao fim e ao cabo representa categoricamente o critério de que templos e palácios foram construídos como cópias arquitetônicas de carruagens aéreas celestes. Em diversas obras, por exemplo no Manasara do século VII DC., é confirmada essa informação arcaica. Paleios e templos harmonizam-se com os antigos veículos voadores pela sua projeção horizontal e edificação. Os templos gigantescos foram reproduções reduzidas das formidáveis estruturas espaciais, e os pequenos templos locais simbolizam as carruagens voadoras dos seres subalternos. Assim se traçou uma divisória muito clara entre os veículos celestes utilizados pelos deuses e os dos mortais. Com essas antiqüíssimas tradições indianas põe-se a questão de saber se os seres divinos que subiam para os aparelhos voadores tinham corporeidade ou não. Se se catalogarem os deuses como seres conceitos abstratos ou personificações dos elementos naturais, desmentir-se-á a representação de seres vivos que viajam entre a Terra e o espaço cósmico em estruturas semelhantes a aeronaves. Se pelo contrário se atribuírem a esses deuses atividades e caráter humanos, as contradições serão patentes. Ora bem, os textos vedas asseguram taxativamente que houve 35 deuses celestes desse tipo. Por outro lado, os purana estabelecem em cem o número de ashuras celestes. Os textos vedas descrevem os gêmeos divinos «Aswins» como seres muito jovens. Além disso possuem formas e qualidades humanas. Sayana comenta ainda com grande clareza no Rig-Veda que os deuses tinham regressado à Terra vindos de um lugar remoto «no céu». YàsKà, o autor do Nirukta, opta por uma solução de compromisso a respeito do antiqüíssimo debate entre eruditos sobre a natureza espiritual ou corporal dos deuses. Ele representa o critério de que ambas as partes têm razão. Os deuses eram ora corporais ora espirituais. No entanto, certas investigações contemporâneas sobre as características principais das divindades vedas defendem a noção de que os deuses foram seres corporais que irromperam no nosso sistema solar a muito tempo atrás. O Mahabharata, que se baseia nas fontes originais, descreve esses deuses como seres corpóreos que não suam nem pestanejam, parecem eternamente jovens e cujas «coroas» (talvez se pretenda designar os raios em volta do corpo) nunca enfraquecem. Dada a multiplicidade de objetos voadores descritos há que perguntar como é possível que um saber tão profundo e valioso possa ter caído no esquecimento, e por que ainda não "foram encontradas relíquias arqueológicas concretas dos aparelhos" voadores. Mas ao progredir na investigação revela-se que entre os pioneiros técnicos houve muito poucos que dominassem a ciência do aparelho voador. Visvakarma e Maya foram dois deles. Consequentemente, o uso dessa tecnologia ficava circunscrito ao escol e não chegava à «arraia-miúda». Hoje em dia continua a ser assim; só os mais abastados ou os homens de negócios podem desfrutar das travessias aéreas, enquanto as massas populares dos países em desenvolvimento só sabem da existência desse meio de transporte. A tecnologia aeronáutica da Antiguidade foi um segredo zelosamente guardado. Além disso, os indianos antigos tinham o hábito de circunscrever os diversos aspectos do saber a um estreito círculo de mestres e discípulos. Os próprios deuses impuseram aos seus discípulos humanos o dever de não revelar às pessoas profanas os segredos do aparelho voador. O abuso dessa ciência antiga foi castigado com penas espantosas. No Samaranganasutradhar determina-se sem rodeios que a invenção dos pormenores técnicos ou dos componentes do aparelho deve permanecer secreta. O comentário de Vaimanika Sastra no Bodhananda especifica que só o detentor de todos os segredos do vimana podia chefiar o vôo. Antes de fazer experiências de vôo, os futuros pilotos deviam aprender os trinta e dois segredos do vimana. Uma vez que os vimanas não serviam apenas como meios de transporte, mas também como armas estratégicas, compreende-se bem essa reserva absoluta a respeito da sua composição e fabrico. Outras razões que fizeram que a arte de voar praticada por humanos e deuses caísse no esquecimento foram as batalhas e catástrofes ocorridas vários milênios antes do nascimento de Cristo. Segundo um grupo de astrônomos indianos, a batalha de Khuruksetra deu-se por volta de 3.102 AC. Chega-se a esta data devido a várias observações astronómicas que os textos antigos citam em relação com essa batalha. Outros astrônomos afirmam que a grande batalha da guerra bharata remonta ao ano 2.449 AC, enquanto na opinião dos eruditos europeus essa conflagração terá corrido por volta de 1.000 AC. Os sábios indianos conservadores fixam o aparecimento dos quatro Veda, dos Brahamana e dos Upana entre 6.000 AC e 2.000 AC, e alguns deles atribuem-lhes uma antiguidade muito maior. Um sábio ocidental tão cabal e arguto como H. Jacobi garante mesmo que os Veda apareceram em 4.500 AC. No Mahabharata são descritas enormes destruições ocasionadas pelas poderosas armas dos deuses. A monstruosidade das situações descritas só é comparável aos desastres da guerra atômica atual. Aquelas destruições foram tão horripilantes que os sobreviventes precisaram de muito tempo para organizar uma nova sociedade. Nesse intervalo ou período obscuro do saber perderam-se todos os conhecimentos científicos sobre o uso das máquinas voadoras. O aniquilamento universal encontra-se pormenorizado nos diversos textos sânscritos. As catástrofes que assolaram a civilização humana ficaram descritas não só nos Veda e nos Purana, mas também na literatura clássica indiana posterior. As sucessivas vagas exterminadoras tiveram diversas causas, entre as quais, na literatura sânscrita, se escolhem as seguintes: Perturbações cósmicas (guerras divinas) - Catástrofes naturais, como sismos e inundações - Guerras regionais e universais. Segundo as tradições indianas, a civilização humana é muito antiga e não pode ser classificada nos limites temporais que a investigação lhe atribui. Por todas estas razões não é de estranhar que não apareça qualquer relíquia de aparelhos voadores nos jazigos arqueológicos. Hoje em dia encontram-se na Europa muito poucas relíquias da Primeira Guerra Mundial, è aqueles que quiserem admirar as recordações da Guerra dos Trinta Anos poderão fazê-lo, quando muito, nos museus. Mas os textos sânscritos indianos não falam de alguns séculos, mas sim de vários milênios. Por isso não pode surpreender-nos que o saber sobre a utilização de máquinas voadoras tenha sido assimilado nos tempos dos Veda e frequentemente entrelaçado com lendas. Embora os estragos da guerra e as subseqüentes catástrofes tenham anulado certamente o saber, a planificação e o fabrico de antiqüíssimos aparelhos voadores, a recordação ficou viva sob uma forma épica. Algumas componentes dessa recordação arcaica vivem ainda hoje no folclore, por exemplo, nos dragões voadores chineses ou nos carros divinos indianos. Fica no ar uma pergunta: por que é que os homens imitavam os veículos divinos na edificação dos seus templos? Há vários milênios essas estruturas celestes foram para os humanos, qualquer coisa incompreensível, divina, que impressionou profundamente a sua imaginação. Ergueram-se palácios, com servidores (sacerdotes) e todas as comodidades imagináveis, destinados a esses deuses. No âmbito religioso chama-se «templos» a esses palácios. Durante a construção procuraram imitar as diversas estruturas voadoras dos seres celestes, de maneira a que os deuses se encontrassem sobre a Terra tão bem como nas suas residências celestes. Os primeiros deuses chegaram de pontos do Universo imensamente distantes. Segundo se lê no Vanaparvan, habitavam cidades fora da Terra, com dimensões extraordinárias e muito confortáveis. Lê-se ainda sobre uma dessas cidades que era luminosa, muito bela, e tinha muitas casas. Havia lá árvores e cascatas. A urbe tinha quatro entradas, custodiadas por guardas, todos eles apetrechados com as mais variadas armas. No capítulo 3 do Sabhaparuan (parte integrante do Mahabharata) são analisadas as ditas cidades espaciais. Aí se diz que Maya, o arquiteto dos Asura, tinha projetado para Yudhisthira, o mais antigo dos Pandava, um soberbo salão nobre de ouro, prata e outros metais para ser enviado para o céu, tripulado por 8000 trabalhadores. Quando Yudhisthira perguntou ao sábio e versado Narada se já se tinha construído antes uma sala tão maravilhosa como aquela, Narada respondeu que já tinham existido recintos celestes semelhantes para cada um dos deuses: Indra, Yama, Varuna, Kuvera e Brama. Essas cidades celestes encontravam-se permanentemente no espaço universal. Dispunham de todos os meios para uma vida cômoda. Sobre a cidade espacial de Yama pode ler-se que era rodeada por um muro branco de um esplendor deslumbrante quando a estrutura seguia o seu caminho no céu. A literatura sânscrita transmite mesmo as dimensões dessa estrutura celeste. A cidade espacial de Kuvera parece ter sido a mais bela de toda a galáxia. Media (convertendo para as medidas de hoje) 550 por 800 quilômetros; estava suspensa no ar e cheia de inúmeros edifícios com reflexos dourados. As descrições de cidades voadoras semelhantes são, desde data imemorial, componente perene das antigas epopéias indianas de autenticidade inquestionável. A dificuldade baseia-se na impossibilidade de captar hoje em dia o significado de expressões como vaihayasi (= voar), gaganacara (= ar), ou vimana (= aparelho voador). Só o saber acerca da técnica moderna permite uma interpretação razoável.»
Eustáquio Andréa Patounas

Lo nuevo en Mercado Libre

GRACOP Artes Gráficas

GRACOP Artes Gráficas
Tus socios creativos

¿Cómo puedes vender y cobrar por Internet?

Dineromail, para enviar y recibir dinero via e-mail